Minicarros elétricos da China estão a chegar à Europa

A Kaiyun Motors vai trazer já no próximo mês uma pickup elétrica para a Europa, com autonomia para 120 quilómetros. A velocidade máxima é de apenas 45 km/hora.

A China já vende mais veículos elétricos do que todos os países do mundo juntos. Na extensa lista de veículos disponíveis estão os famosos “minicarros” que, pelo menos na China, nem obrigam o condutor a ter carta de condução. Estes automóveis com velocidades inferiores a 45 km/h estão prestes a acelerar nos Estados Unidos e na Europa.

Grandes autocarros, carros desportivos, motos ou scooters mais rápidas do que o normal são alguns dos veículos que os chineses já “inventaram”. Mas há um tipo de veículos que se destaca: são os “minicarros”. Funcionam com baterias chumbo-ácido, têm pouca ou nenhuma proteção contra colisões, não ultrapassam os 45 km/h e, pelo menos na China, não requerem carta de condução, de acordo com a Quartz (conteúdo em inglês).

Um dos fabricantes destes automóveis é a Kaiyun Motos, que vai começar a vender a sua pickup elétrica “Pickman” nos Estados Unidos, Alemanha e Itália já no próximo mês. O modelo mais básico é vendido na China por 16,8 mil yuans (o equivalente a 2.180 euros). Não há ainda preços para a Europa, mas em território norte-americano esse valor arrancará nos 8.950 dólares (7.836 euros).

A pickup está disponível em seis cores, tem capacidade off-road e tem espaço para três pessoas, aguentando até 450 kg, de acordo com um vídeo promocional, citado pela Quartz. Tem um alcance de 120 quilómetros com um único carregamento e a bateria demora dez horas para chegar a 100% da capacidade.

“Os minicarros elétricos são mais do que suficientes para responderem às necessidades diárias dos consumidores”, disse Wang Chao, fundador da Kaiyun Motors, em declarações à Bloomberg. “Há um mercado enorme à volta do mundo”, diz numa altura em que se expande para mercados de peso como o europeu e o norte-americano.

Comentários ({{ total }})

Minicarros elétricos da China estão a chegar à Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião