Automóveis elétricos “triunfarão e bem mais depressa do que se julga” diz a UVE

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2019

A Associação de Veículos Elétricos saudou as declarações do ministro sobre a desvalorização dos carros a gasóleo, garantido que os “automóveis elétricos triunfarão bem mais depressa do que se julga".

A Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE) saudou as declarações do ministro do Ambiente sobre a desvalorização dos carros com motor a gasóleo, garantido que os “automóveis elétricos triunfarão e bem mais depressa do que se julga”.

Em comunicado, o Conselho Diretivo da UVE referiu as dúvidas no século XX sobre como se iria impor a fotografia digital à analógica para argumentar que os “motores de combustão interna não têm futuro, pois são muito menos eficientes e mais, muito mais poluentes que os motores elétricos”.

“O futuro é elétrico. Para muitos de nós é o presente e até o passado. Temos associados com mais de 200 mil quilómetros percorridos em veículo elétrico e com uma adesão aos veículos elétricos que já tem mais de uma década”, lê-se num comunicado divulgado hoje.

A associação referiu que a alteração para a mobilidade elétrica “não será imediata, até pela simples razão de que não existem baterias suficientes, nem os fabricantes de automóveis têm capacidade para produzir e fornecer os automóveis elétricos que a crescente procura por parte dos cidadãos exige”.

Mas que a adoção dos veículos elétricos será “exponencial e disruptiva” e as cidades irão mudar “radicalmente em meia dúzia de anos, para bem de todos”.

A UVE saudou ainda que as declarações do governante tenham aberto a discussão que permite decisões “mais esclarecidas”.

Em entrevista publicada na edição de segunda-feira do Jornal de Negócios, o ministro do Ambiente e Transição Energética João Pedro Matos Fernandes afirmou ser “muito evidente que quem comprar um carro ‘diesel’ muito provavelmente daqui a quatro ou cinco anos não vai ter grande valor na sua troca”.

Várias associações e fabricantes do setor já criticaram as palavras do governante, que foram, porém, bem recebidas pelos ambientalistas da Zero e agora pelos utilizadores dos veículos elétricos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Automóveis elétricos “triunfarão e bem mais depressa do que se julga” diz a UVE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião