Partida, largada, fugida. Primeira corrida de aviões elétricos chega em 2020

A Airbus é sócio fundador da Air Race E, a nova competição que verá oito aviões elétricos competir a dez metros do solo. A série inaugural está prevista para 2020.

Vem aí uma nova competição com motores verdes. Prepare-se para olhar para os céus, porque a Airbus juntou-se à Air Race E para criar a primeira corrida de aviões elétricos do mundo. Está tudo a postos para que a série inaugural aconteça em 2020, numa competição que opõe oito aviões elétricos, a dez metros do solo.

Depois de chegar a Fórmula E para carros elétricos, é a vez dos aviões. O formato será semelhante às corridas aéreas da Fórmula 1, num circuito onde se vão atingir “velocidades superiores a qualquer desporto motorizado terrestre”, revela a Airbus em comunicado. A fabricante europeia é sócio fundador oficial da Air Race E.

A série inaugural está prevista para 2020Airbus

“Queremos motivar os fabricantes a mostrar as suas tecnologias em todo o espetro de sistemas e componentes de propulsão elétrica”, explica Grazia Vittadini, diretora de tecnologia da Airbus, citada em comunicado. “Esta parceria permite-nos demonstrar o nosso compromisso de permanecer na vanguarda da propulsão elétrica, e o desenvolvimento de um novo ecossistema”, continua.

A Universidade de Nottingham está responsável pelo desenvolvimento do avião protótipo para as corridas. Um motor elétrico integrado, uma bateria, e um sistema de componentes eletrónicos são os componentes necessários para fazer andar o veículo, que servirá de modelo para formular as regras da corrida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partida, largada, fugida. Primeira corrida de aviões elétricos chega em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião