EDP propôs “ótimas engenharias financeiras” para cortar custos do setor

Álvaro Santos Pereira garante que o seu Governo nunca implementou medidas propostas pela EDP, que foram apenas "ótimas engenharias financeiras", com impacto "zero".

Logo no início do seu mandato, em 2011, Álvaro Santos Pereira, então ministro da Economia do Governo de Pedro Passos Coelho, quis introduzir uma contribuição especial sobre o setor energético, que foi rejeitada pelo ministério de Vítor Gaspar. A equipa da Economia viu-se, então, obrigada a encontrar alternativas para baixar os custos com o setor elétrico, numa altura em que Portugal estava prestes a ser intervencionado pelo troika. É aqui que a EDP entra em cena, chegando mesmo a apresentar um plano “alternativo” para limitar estes custos. Este plano nunca foi, contudo, acolhido pelo Governo, até porque o impacto que teria em termos de redução de custos por parte do Estado era nulo. No fundo, a EDP apresentou “ótimas engenharias financeiras”.

É desta forma que Álvaro Santos Pereira classifica as propostas apresentadas pela EDP ao Governo de então, em outubro de 2011, através das quais a elétrica defendia ser possível limitar o crescimento anual dos preços da eletricidade a 1,5%, minimizar a criação de nova dívida tarifária e eliminar toda a dívida até 2020. O antigo ministro da Economia do Governo de Pedro Passos Coelho está a ser ouvido, esta quinta-feira, na comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas ao setor da eletricidade, onde tem defendido a ação do seu Governo no que toca ao combate aos “lobbies” do setor elétrico.

“A EDP apresentou ótimas engenharias financeiras, mas, a nível de cortes, era zero”, começou por dizer sobre este assunto.

Questionado sobre a relação estreita entre o Governo e a elétrica, que terá mesmo tido intervenção na elaboração de algumas leis, Álvaro Santos Pereira rejeitou por completo a ideia. “Então eu vou implementar medidas que a EDP me está a dizer para fazer? Era só o que faltava!“, afirmou.

Esta mesma ideia já tinha sido defendida, no mês passado, pelo antigo secretário de Estado Henrique Gomes, ouvido nesta mesma comissão de inquérito. Na sua audição, o ex-governante, que desempenhou o cargo durante apenas nove meses, disse que o seu Governo nunca chegou a acordo com a EDP no que toca à redução de custos do setor, uma vez que a elétrica apresentou alternativas sem impactos de longo prazo.

“Todas as alternativas que nos apresentaram eram paliativos que aliviavam o curto prazo, mas que não cortavam nada. Esse princípio nós nunca aceitámos. Com a EDP, que era fundamental, não chegámos a acordo”, disse o antigo secretário de Estado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP propôs “ótimas engenharias financeiras” para cortar custos do setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião