Marcelo alerta para problemas no uso de crowdfunding na greve dos enfermeiros

Chefe de Estado sublinhou que "um movimento cívico não pode declarar greve" e não se pode substituir aos sindicatos. Marcelo diz que "é intolerável" enfermeiros não cumprirem requisição civil.

O Presidente da República considera que a utilização de um crowdfunding para financiar a greve dos enfermeiros apresenta diversos problemas tendo em conta que o financiamento é anónimo. Além disso, sublinhou o Chefe de Estado um movimento cívico não pode declarar greve” e não se pode substituir aos sindicatos. No dia em que o Governo aprovou a requisição civil dos enfermeiros, Marcelo Rebelo de Sousa, na estreia do programa Circulatura do Quadrado, na TVI24, defendeu que a requisição civil é inteiramente justificada caso se prove que os serviços mínimos não estão a ser cumpridos.

Se for verdade que não foram cumpridos os serviços mínimos, está preenchido o requisito para a requisição civil”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa. No entanto, os sindicatos dos enfermeiros não baixam os braços e contam com o advogado Garcia Pereira vai os representar na questão da requisição civil. Em declarações à agência Lusa, o especialista em direito do trabalho afirmou que a requisição civil “é um procedimento abusivo desde o início, numa circunstância em que uma operação de manipulação da opinião pública originou que se deixasse de falar do que levou os enfermeiros a encetarem esta forma de luta”.

O Chefe de Estado sublinhou, na Circulatura do Quadrado, que não há dúvidas e que “os enfermeiros têm causas que são justas e que defendem pelo exercício à greve”. No entanto sublinha que “a democracia é feita de conteúdo e de processo”. “Não basta defender boas causas. É preciso que o processo utilizado seja política e constitucionalmente, legalmente, condizente com o que se defende”, frisou Marcelo, num programa gravado no Palácio de Belém.

Todos sabemos que os enfermeiros têm causas que são justas e que defendem pelo exercício da greve.

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

Sublinhando à partida que não ia “discutir a substância do que está em causa”, recorda que, “em termos de processo”, houve “duas questões” para as quais chamou “a atenção”. Uma delas “o problema do crowdfunding” que se “põe dos dois lados”, defende Marcelo Rebelo de Sousa, ressalvando que, “por ventura, nem é preciso mudar a lei”.

Em causa está uma plataforma de financiamento colaborativo usada pelos enfermeiros para o crowdfunding da sua segunda greve, foram angariados mais de 423.000 euros. Na primeira greve, entre 22 de novembro de final de dezembro, tinham angariado mais de 360.000 euros. Sendo que, esta quinta-feira, o PS anunciou que vai iniciar um processo de diálogo com outras forças políticas para a apresentação de um projeto que proíba contribuições monetárias anónimas no crowdfunding.

“Primeiro quem promove o crowdfunding é um movimento cívico que não pode declarar greve. O crowdfunding é legalmente previsto para alguém reunir fundos para desenvolver uma certa atividade. Legalmente não pode substituir-se a um sindicato”, sublinha o Chefe de Estado. “Quem pode declarar a greve — o sindicato — deve fazê-lo com fundos dos seus sindicatos. Como se pode fazer isso se o movimento e os donativos não são identificados?”, questionou o Presidente da República.

Quem pode declarar a greve — o sindicato — deve fazê-lo com fundos dos seus sindicatos. Como se pode fazer isso se o movimento e os donativos não são identificados?

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

Marcelo lembrou ainda que outra das questões para as quais chamou a atenção foi: “Não pensem apenas nos vosso direitos, mas também nos direitos dos utentes, como o direito à vida e à saúde”.

Para o Chefe de Estado um dos maiores problemas da sociedade portuguesa, neste momento, são “os fenómenos inorgânicos no plano sindical, laboral e a dificuldade de enquadramento pelas estruturas clássicas”. “Isso preocupa-me muito”, reconhece Marcelo Rebelo de Sousa. “A maioria das greves foi declarada por sindicatos que não estão integrados nem na na CGTP nem na UGT”, frisa de modo ilustrativo.

“Preocupam-me que seja anunciada uma requisição civil e haver uma resposta : ‘Se é assim não vamos trabalhar’. É muito mau o Governo tomar essa posição porque há movimentos inorgânicos”, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

A presidente da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros, Lúcia Leite, disse à agência Lusa que os enfermeiros se sentem “atacados nos seus direitos enquanto trabalhadores” e alertou para o risco de surgirem novas formas de luta “mais incontroláveis”, ainda que não suportadas pelos sindicatos. Lúcia Leite admitiu que os profissionais se consigam organizar no sentido de darem faltas injustificadas ao trabalho até ao limite legal, lembrando que o Código do Trabalho prevê que qualquer trabalhador possa faltar cinco dias seguidos ou dez interpolados.

Já o Movimento Greve Cirúrgica, que organizou a recolha de fundos para as duas paralisações em blocos operatórios, também admitiu avançar com outras formas de protesto, que podem passar por abandono de serviço ou greves de zelo. E apelou ainda para que os enfermeiros deixem de realizar as cirurgias adicionais para recuperação das listas de espera, que não são obrigatórias, sendo pagas à parte e feitas fora do horário normal.

Sinais de que o controlo da situação está a escapar aos sindicatos ditos tradicionais, razão pela qual o Marcelo Rebelo de Sousa defende que tanto os sindicatos como os partidos “têm de se reajustar”.

“É intolerável que se pense que perante uma decisão legal, a reação adequada é de que não cumprimos e não acatamos. Aí o Presidente da República é muito claro: muito afeto, mas afeto com autoridade”, concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.

(Notícia atualizada às 22h47)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo alerta para problemas no uso de crowdfunding na greve dos enfermeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião