ADSE paga mais de 20% dos gastos dos hospitais privados

  • ECO
  • 13 Fevereiro 2019

O grupo Luz Saúde é o que mais depende da ADSE, com o subsistema a gerar 22,5% da sua faturação, em 2017. Em segundo lugar está o grupo José de Mello, com a ADSE a responder por 12,9% da faturação.

A ADSE suporta mais de 20% dos gastos correntes dos hospitais privados, avança esta terça-feira o Jornal de Negócios (acesso pago). Os dados da Conta Satélite da Saúde do INE revelam que, em 2016, 20,8% dos gastos correntes dos hospitais privados ficaram a cargo do subsistema de saúde. Mas este valor sobe para 25,9% se for expurgada a despesa com os hospitais em regime de Parceria Público Privada, já que nestes casos os gastos com os beneficiários da ADSE são considerados despesas do SNS.

Os valores de 2016 revelam uma subida de cinco pontos percentuais do financiamento aos privados, após quatro anos em que o peso da ADSE na faturação dos privados se manteve estável. O aumento deverá estar relacionados com o crescimento da rede dos grupos privados, com a política da ADSE de aumentar a sua rede de prestadores convencionados e com o contexto de recuperação económica, avança o Negócios.

Num momento em que os privados suspenderam o acordo com a ADSE, a interdependência entre as duas partes complica a questão. O grupo Luz Saúde é o que mais depende da ADSE, com o subsistema a gerar 22,5% da sua faturação, em 2017, refere o Negócios. Em segundo lugar está o grupo José de Mello, com a ADSE a responder por 12,9% da faturação, seguido pelos grupos Lusíadas Saúde, Troja Saúde e Fundação Champalimaud.

Segundo o presidente Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, “a atividade com a ADSE representa cerca de 18% do total dos hospitais privados”. “Tratamos cerca de quatro milhões de cidadãos por ano, dos quais cerca de 800 mil são beneficiários da ADSE”, disse Óscar Gaspar, em declarações ao Dinheiro Vivo.

Misericórdias aberta a acolher beneficiários da ADSE

Perante a possibilidade de a rutura com o Grupo José de Mello e com a Luz Saúde se tornar definitiva, a União das Misericórdias diz estar disponível para acolher os beneficiários da ADSE. Mas não todos, porque não teria capacidade para tal.

“As Misericórdias estão disponíveis para acolher os portugueses, existimos por causa disso. Agora, não pensem que as Misericórdias resolvem os problemas todos das pessoas que lá vão. Não é possível. Estamos a falar de mais de um milhão de pessoas”, disse Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias, em entrevista à Renascença.

O responsável acusa ainda a ADSE de não cumprir os acordos estabelecidos com o setor social. São situações pontuais que retiram capacidade para absorver a totalidade de utentes que o fim das convenções pode afetar, explica. “É importante que a ADSE também olhe um bocadinho para dentro e perceba que, por exemplo, se cumprisse os acordos que celebrou com o setor social também haveria mais unidades a funcionar”, defende Manuel Lemos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ADSE paga mais de 20% dos gastos dos hospitais privados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião