EDP prepara resposta às propostas do fundo Elliott

A administração executiva da EDP, liderada por António Mexia, vai ter uma reunião esta quinta-feira para avaliar as proposta do fundo Elliot, e é expectável uma comunicação ao mercado.

O fundo Elliott é contra a OPA dos chineses da China Three Gorges sobre a EDP e apresentou um plano alternativo para a elétrica, que passa por um crescimento nas energias renováveis e a venda da operação no Brasil para levar o preço da ação para 4,33 euros. Por coincidência, esta posição de força ocorre no mesmo dia em que decorre um Conselho Geral e de Supervisão da empresa, já previamente marcado, apurou o ECO junto de acionistas. Mas, perante esta proposta do Elliott, o conselho de administração executivo liderado por António Mexia também vai reunir e é expectável que, depois, seja feita uma comunicação ao mercado.

A OPA dos chineses foi lançada em maio e, depois de meses em que nada se passava, o calendário acelera, muito devido à entrada de um novo acionista com as características do fundo Elliott, mas também com a aproximação da assembleia geral de acionistas e a apresentação do plano estratégico revisto, agendado para 13 de março, em Londres. Se o CGS já estava marcado para esta manhã, e o tema-Elliott acabará por dominar as discussões, já o encontro do conselho de administração executivo é mesmo uma resposta direta às propostas daquele fundo. Segundo sabe o ECO.

O fundo Elliott, que tem menos de 3% da EDP, tomou pela primeira vez uma posição sobre a OPA apresentada pela China Three Gorges. E é negativa. “É evidente para nós que a Oferta da CTG não favorece os melhores interesses dos stakeholders da EDP. A contrapartida é excessivamente baixa, o processo encontra-se paralisado e as alterações provavelmente requeridas pela Oferta da CTG seriam baseadas em requisitos regulatórios e não nos melhores interesses de todos os stakeholders. Chegados a este ponto, a continuação da existência de uma Oferta que se considera impossível concluir com êxito, na sua forma atual, está a dificultar o crescimento da EDP. Acreditamos que a EDP deve ultrapassar rapidamente a Oferta e a definição de um novo rumo é urgente”, pode ler-se numa carta enviada esta quinta-feira ao Conselho Geral e de Supervisão, liderado por Luís Amado.

Além disso, o Elliott propõe um plano agressivo de venda de ativos para diminuir a dívida da companhia, e o mas relevante é mesmo a operação no Brasil, uma das mais relevantes na estratégia de António Mexia. “Dado o potencial de crescimento do mercado brasileiro, a Elliott acredita que a EDP Brasil é um negócio atraente, que beneficiaria de um novo proprietário empenhado e disposto a realizar os investimentos necessários. A participação da EDP na EDP Brasil poderia ser vendida com um prémio significativo em relação ao valor atual de negociação, em linha com as recentes transações de utilities no Brasil, tendo em conta que existe procura considerável por este tipo de plataformas”, sugere aquele fundo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP prepara resposta às propostas do fundo Elliott

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião