Há mais escolas a inflacionar as notas dos alunos do secundário

  • Lusa
  • 16 Fevereiro 2019

O Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, que este ano volta a liderar o ranking é uma das escolas que volta a aparecer na lista das escolas que inflacionaram as notas nos últimos cinco anos.

As escolas que inflacionam as notas dos alunos do secundário aumentaram no ano passado para 18, segundo uma lista elaborada pela Lusa a partir de dados oficiais, onde se encontram três colégios no ‘top 10’ do ranking geral.

Desde o ano letivo de 2013/2014, 18 escolas secundárias dão sempre notas mais altas do que deviam, revelam dados do Ministério da Educação (ME) numa análise às notas que os alunos têm pelo trabalho realizado ao longo do ano na escola e os resultados que obtêm nos exames nacionais.

Por comparação com os dados divulgados em 2018, que identificavam 16 casos, desaparecem duas escolas que constavam na listagem do ano anterior e surgem quatro novas.

O Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, que este ano volta a liderar o ranking elaborado pela Lusa com base na média das notas dos alunos nos exames nacionais, é uma das escolas que volta também a aparecer na lista dos estabelecimentos de ensino que inflacionaram as notas nos últimos cinco anos.

Por exemplo, no ano passado, os alunos daquele colégio tiveram uma média de 17,39 valores nas notas atribuídas pelos seus professores, mas quando chegaram a exame a média desceu para 15,5 valores.

Mas este não é caso único. A escola privada que aparece em 7.º lugar da lista da Lusa, o Colégio D. Diogo de Sousa, também está identificada pelo ME como um dos estabelecimentos de ensino que desde 2013 atribuiu consecutivamente notas muito acima do que deveria.

A média das notas atribuídas pela escola bracarense no ano passado foi de 16,8 valores e a média nos exames de 14,5, segundo uma análise aos dados feita pela Lusa.

O Colégio Rainha Santa Isabel, em Coimbra, também faz parte deste grupo, ao aparecer na lista das dez escolas mais bem classificadas nos exames nacionais.

Os alunos da escola privada de Coimbra tiveram uma média de 14,39 valores nos exames, que valeu um 8.º lugar no ranking de 2018, mas pelo trabalho realizado ao longo do ano a média subiu mais de dois valores (16,6 valores).

O Colégio Luso-Francês, no Porto, é o outro caso, surgindo em 9.º lugar do ranking geral porque os seus alunos tiveram uma média de 14,2 valores nos exames, mas, depois, na nota interna a média aumentou para os 16,5 valores.

Comparando com os dados do ano anterior, verifica-se que a maioria das escolas se mantém, tendo apenas desaparecido dois estabelecimentos de ensino: a Escola Secundária Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves, em Vila Nova de Gaia, e o Colégio do Minho, em Viana do Castelo.

Na lista deste ano há quatro novidades: a Escola Secundária Alberto Sampaio, em Braga, o Colégio da Rainha Stª Isabel, em Coimbra, e os colégios “Casa Mãe” e Amorim.

À exceção do Colégio Rainha Santa Isabel, em Coimbra, todas as outras escolas privadas situam-se a norte do país.

Os colégios continuam a ser os que mais inflacionam as notas: das 18 escolas, apenas três são públicas, um procedimento que pode permitir a um aluno passar à frente no acesso ao Ensino Superior.

A Lusa elaborou ainda uma lista das escolas que dão notas abaixo do que seria expectável: são 16 e ao contrário do que acontece com a inflação há apenas três são privadas.

Lista das escolas que inflacionam as notas dos alunos:

  • Colégio das Terras de Santa Maria — Santa Maria da Feira
  • Colégio “D. Diogo de Sousa” — Braga
  • Externato “Carvalho Araújo” — Braga
  • Escola Secundária Alberto Sampaio — Braga
  • Escola Secundária de Fafe — Fafe
  • Colégio da Rainha Stª Isabel — Coimbra
  • Externato “Camões” — Gondomar
  • Colégio Paulo VI de Gondomar — Gondomar
  • Colégio Novo da Maia — Maia
  • Colégio “Casa Mãe” — Paredes
  • Colégio D. Duarte — Porto
  • Colégio “Luso Francês” — Porto
  • Colégio “Nossa Senhora do Rosário” — Porto
  • Externato “Ribadouro” — Porto
  • Colégio de Amorim — Póvoa de Varzim
  • Colégio da Trofa — Trofa
  • Escola Secundária de Monção — Monção
  • Colégio de Lamego — Lamego

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais escolas a inflacionar as notas dos alunos do secundário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião