Angola. Remessas dos portugueses caíram 9% em 2018, para 223 milhões

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2019

As remessas dos trabalhadores portugueses em Angola diminuíram 9% no ano passado, para 223 milhões de euros, enquanto os angolanos a trabalhar em Portugal enviaram 9,79 milhões, menos 16%.

As remessas dos trabalhadores portugueses em Angola diminuíram 9% no ano passado, caindo para 223 milhões de euros, enquanto os angolanos a trabalhar em Portugal enviaram 9,79 milhões, menos 16%, para o seu país, segundo o Banco de Portugal.

De acordo com os dados hoje divulgados, os trabalhadores portugueses em Angola enviaram 223,01 milhões de euros no ano passado, o que representa uma descida de 9,01% face aos 245,08 milhões de euros enviados em 2017.

Em sentido inverso, os angolanos a trabalhar em Portugal enviaram 9,79 milhões de euros para o seu país, o que equivale a uma descida de 16,54% face as 11,73 milhões de euros enviados em 2017.

No total mundial, as remessas dos emigrantes subiram 3,65% no ano passado, para 3.684,5 milhões de euros, ao passo que as verbas enviadas pelos estrangeiros a trabalhar em Portugal subiram 2,63%, para 531,8 milhões.

De acordo com os dados, os valores enviados pelos trabalhadores portugueses no estrangeiro subiram de 3.343,2, em 2016, para 3.554,8 milhões, em 2017, e aumentaram para 3.684,5 milhões no ano passado.

Em sentido inverso, as verbas enviadas pelos trabalhadores estrangeiros em Portugal recuperaram terreno no ano passado, subindo para 531,8 milhões, depois de terem caído de 533,3 milhões, em 2016, para 518,2 milhões de euros em 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola. Remessas dos portugueses caíram 9% em 2018, para 223 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião