EDP Renováveis lucra mais de 300 milhões. Dividendo sobe

A empresa liderada por Manso Neto aumentou os resultados líquidos. E tal como no ano passado, vai também elevar a remuneração aos acionistas em um cêntimos, para sete cêntimos.

A EDP Renováveis lucrou mais. Num ano em que as receitas até caíram, a empresa liderada por Manso Neto apresentou um resultado líquido de mais de 300 milhões de euros. Este crescimento vai ser partilhado com os acionistas, sendo a EDP o principal, através do aumento dos dividendos. Valor a pagar sobe para sete cêntimos.

“O resultado líquido totalizou 313 milhões de euros (contra 276 milhões no período homólogo)”, refere a EDP Renováveis em comunicado enviado à CMVM. O EBITDA totalizou 1.300 milhões de euros, uma quebra de 5% face a 2017 “devido ao impacto de descontinuidades nas receitas, cambial e menores recursos eólicos”. E as receitas também encolheram.

“Em resultado da maior produção (+3% face a 2017), menor preço realizado (-9%), fatores cambiais (-46 milhões face a 2017) e o termo esperado de PTCs (após 10 anos) em algumas estruturas de Tax equity (-51 milhões), as receitas totalizaram 1.697 milhões (uma quebra de 7%)”, refere a empresa, salientando que os custos operacionais cresceram 6% para 589 milhões.

A explicar o crescimento dos resultados líquidos estiveram, então, os resultados financeiros que caíram para 220 milhões (contra 302 milhões em 2017, “beneficiando da evolução estável dos e juros financeiros líquidos (139 milhões), juntamente com custos de parcerias institucionais mais baixos e os ganhos derivados da estratégia de sell down de participações em projetos de offshore (87 milhões)”.

“Os resultados apresentados hoje, que incluem um crescimento dos lucros líquido de 14%, refletem a sólida gestão financeira da empresa, que beneficiou de um desempenho interanual estável dos custos de juros líquidos, de uma redução das despesas com parcerias institucionais e lucros da alienação de participações em projetos offshore“, refere Manso Neto.

Com estes resultados, e apesar dos investimentos terem elevado a dívida da empresa liderada por Manso Neto para os 3.060 milhões de euros, o conselho de administração revela que “irá propor, em assembleia geral de acionistas, uma distribuição de dividendos de 61,1 milhões”, diz a EDP Renováveis. Este valor equivale a sete cêntimos por ação, mais um que o pago em 2018 com base nas contas de 2017.

A EDP Renováveis vai dar dividendos, mas vai também continuar a investir para crescer, numa altura em que está a ser alvo da OPA da China Three Gorges. “Estamos empenhados em continuar a fazer crescer a empresa através de modelos de gestão eficientes e da limitação de riscos, bem como da diversificação da nossa capacidade de gerar valor através dos mercados e da tecnologia”, diz Manso Neto.

(Notícia atualizada às 7h22 com declarações de Manso Neto)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP Renováveis lucra mais de 300 milhões. Dividendo sobe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião