Sonae IM vende participação na Saphety

A empresa do Grupo Sonae, liderada por Eduardo Piedade, vendeu a participação que tinha na portuguesa Saphety. Uma operação que, explica, faz parte da sua estratégia de gestão.

A Sonae Investment Management (Sonae IM) vendeu a participação que tinha na Saphety aos membros da sua equipa de gestão, apoiados pela Oxy Capital. A presença no capital desta tecnológica portuguesa já vem desde a sua criação há mais de dez anos. Esta venda faz parte da estratégia da Sonae IM em investir em empresas tecnológicas e, mais tarde, “vender para gerar mais-valias”.

É oficial. A Sonae IM, juntamente com a AITEC e o BPI, vendeu todas as ações que tinha na Saphety à sua equipa de gestão. Esta empresa nacional oferece soluções software-as-service para faturação eletrónica e conta com escritórios em Portugal, Brasil e Colômbia. Estava no portefólio do Grupo Sonae desde que foi criada, “resultado de um spin-off há mais de dez anos”, lê-se no comunicado.

“Esta transação está integrada na estratégia de gestão ativa de portfólio da Sonae IM. A nossa atividade passa por investir em empresas tecnológicas, apoiar no seu crescimento, internacionalização, e vender mais tarde para gerar mais-valias, como neste caso. Estamos bastante satisfeitos pela equipa de gestão da Saphety ter tido a iniciativa de dar este passo em conjunto com a Oxy Capital”, refere Eduardo Piedade, CEO da Sonae IM, em comunicado.

Do lado da Saphety, Rui Fontoura, CEO, garante que esta “prosseguirá a estratégia de crescimento no mercado global, contando para o efeito com uma equipa dedicada e altamente qualificada”. “À Sonae IM agradecemos a oportunidade de concretizar esta aquisição. Um agradecimento final à Oxy Capital por ter acreditado no projeto e na equipa Saphety“, acrescentou.

Os novos parceiros, a sociedade gestora de fundos de investimento presentes em Portugal, mostram-se satisfeitos com esta operação, que foi realizada através do fundo Oxy Capital II. “Vemos com otimismo a continuação do desenvolvimento da Saphety como entidade de referência de faturação eletrónica para milhares de empresas em Portugal e no exterior”, comentou Gonçalo Mendes, partner da Oxy Capital.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae IM vende participação na Saphety

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião