Salários baixos? “Muitas pessoas até ganham mais do que deviam”, diz Ferraz da Costa

  • ECO
  • 8 Março 2019

Em ano de eleições, o presidente do Fórum para a Competitividade afirma que António Costa "está refém da necessidade de comprar votos a qualquer preço".

No ano em que o salário mínimo nacional (SMN) aumentou para 600 euros, o valor continua a ser um dos mais baixos da Europa. Mas, para Pedro Ferraz da Costa, há no país muitos trabalhadores que recebem “mais do que deviam”. Em entrevista ao jornal i (acesso pago), o presidente do Fórum para a Competitividade falou ainda de política, já que este é um ano com três atos eleitorais. Prevendo umas eleições legislativas pouco fáceis, acredita que António Costa está obrigado a “comprar votos”, custe o que custar.

Foi a 21 de dezembro que Marcelo Rebelo de Sousa promulgou o diploma apresentado pelo Governo relativos à subida do salário mínimo para 600 euros. Um valor que foi proposto pelo Executivo de António Costa, mas que acabou por não conquistar a aprovação dos parceiros sociais. Os sindicatos pediam mais até porque o aumento do salário mínimo nacional quando medido em paridades de poder de comprar está entre os mais baixos da Europa e regista um aumento inferior por exemplo ao da vizinha Espanha. Contudo, Pedro Ferraz da Costa tem uma opinião diferente: “Os nossos salários são baixos? Muitas pessoas até ganham mais do que deviam”, disse, em entrevista.

Se a UGT pedia um aumento para 615 euros, a CGT pedia ainda mais: 650 euros. O valor acordado deixou, assim, muitos descontentes, principalmente os partidos de esquerda, com quem o primeiro-ministro criou uma aliança. Para Ferraz da Costa, “a esquerda portuguesa sempre quis acabar com os ricos”, disse, contrapondo os partidos que apoiam o Governo no Parlamento à esquerda escandinava, que, em contrapartida, “queria acabar com os pobres”.

Com o aproximar das eleições os conflitos entre PS e parceiros da geringonça são cada vez mais mediáticos. Mas António Costa já admitiu abrir a porta a uma nova geringonça, até porque as sondagens parecem afastar o objetivo do PS de conseguir uma maioria absoluta nas próximas legislativas. Para já, em cima da mesa estará um novo acordo de incidência parlamentar e não uma coligação governamental, que o Bloco de Esquerda já se mostrou disponível em formar, mas que o primeiro-ministro já descartou.

O caminho até às eleições promete não ser fácil, com um forte aumento da contestação social — professores, enfermeiros, juízos, funcionários do Fisco, guardas prisionais, etc. Ferraz da Costa defende que “o primeiro-ministro está refém da necessidade de comprar votos a qualquer preço”. Contudo, admite que o país já vive “em guerrilha ideológica praticamente desde 1974”.

A luta pelos votos foi claramente expressa pelo líder da Fenprof. Mário Nogueira deixou na quinta-feira um recado aos deputados: “Fazer justiça e resolver um problema como este pode dar votos”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Salários baixos? “Muitas pessoas até ganham mais do que deviam”, diz Ferraz da Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião