Grupo Hilton quer abrir cinco hotéis em Portugal e Espanha nos próximos cinco anos

A cadeia hoteleira norte-americana pretende abrir cinco hotéis na Península Ibérica nos próximos quatro a cinco anos, em parceria com a gestora Panoram Hotel Management.

O Grupo Hilton está a apostar na expansão numa altura em que aumenta a concorrência no setor hoteleiro. A cadeia norte-americana tem nos planos a abertura de cinco hotéis em Portugal e Espanha, em parceria com a espanhola Panoram Hotel Management, avança o El Economista (conteúdo em espanhol). Com este acordo, a Panoram vai contar com oito hotéis Hilton no ser portefólio de gestão.

O objetivo é uma mão cheia de hotéis Hampton by Hilton na Península Ibérica nos próximos quatro a cinco anos, revelou Guillermo Perez Palacios, CEO da Panoram, ao jornal espanhol. A relação entre as duas empresas não é nova, dado que já trabalham em conjunto pelo menos há dois anos, altura em que a Panoram fez com que o Grupo Hilton voltasse a Espanha ao fim de 40 anos com a abertura do DoubleTree by Hilton Madrid Prado.

No ano passado nasceu o projeto Hampton by Hilton Alcobendas, o primeiro hotel da marca em território espanhol, que contará com 138 quartos e abrirá portas em setembro deste ano.

Mas só agora a Panoram se estreará no mercado português, “onde o foco serão dois mercados importantes como Lisboa e Porto”, revelou Palacios. “Neste último [Porto], já estamos a negociar um ativo cujo negócio esperamos concluir este ano”, adiantou o responsável, recordando que a área de atuação não é apenas com o Grupo Hilton.

“O nosso projeto em comum não implica exclusividade para nenhuma das partes”, acrescentou, referindo que também trabalha com outras cadeias, como a francesa AccorHotels, com quem está a projetar dois possíveis novos hotéis em Espanha.

O Grupo Hilton está atualmente presente em 113 países, com mais de 5.600 propriedades, num total de 16 marcas, lê-se no site. Em Portugal está presente em Lisboa com o DoubleTree by Hilton Hotel Lisbon — Fontana Park, na zona do Marquês de Pombal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Hilton quer abrir cinco hotéis em Portugal e Espanha nos próximos cinco anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião