Um dos melhores restaurantes de praia no top 10 do The Guardian é português

A lista do The Guardian foi composta por escritores de viagem, e inclui restaurantes em Portugal, Espanha, Grécia e Dinamarca, cada um com as suas iguarias típicas.

Portugal é muito conhecido pelas suas praias, que são preenchidas por milhares de turistas todos os verões. Apesar da região do sul ser a mais famosa, a costa portuguesa mais a norte também atrai viajantes, nomeadamente aqueles que procuram boa comida. Um restaurante na Costa Nova, em Aveiro, foi escolhido como um dos dez melhores restaurantes de praia da Europa por escritores de viagens.

O restaurante português destacado na lista compilada pelo The Guardian (acesso livre/conteúdo em inglês) é o Bronze Seafood & Lounge Bar, em Aveiro. Entre as iguarias que mais deixam água na boca aos visitantes encontra-se ceviche, ameijoas à Bulhão Pato, bife de atum ou polvo. É “perfeito para almoços longos e preguiçosos, ou noites românticas ao pôr-do-sol”, descreve a publicação.

O peixe fresco local e o marisco são vendidos a um “preço indicado para o ambiente”, apontam, sendo este um dos poucos restaurantes onde são mencionados os custos. Neste top 10 de sítios onde pode comer enquanto observa o mar estão incluídos restaurantes em Espanha, Grécia, Suécia ou Dinamarca.

As ostras francesas, do Chez Boulan na baía de Arcachon, não escapam a este ranking, bem como os clássicos fish and chips britânicos, na Crabshack em Sussex. Pela Dinamarca, a especialidade do restaurante eleito, o Fiskehus, é uma sandes aberta apelidada de “smørrebrød“, onde se pode escolher entre uma variedade de marisco, como lagosta, mexilhões e camarão.

Pela Grécia, os escritores escolhem a taberna Kalamakia, que tem pratos simples mas que brilha pelo serviço, onde até é possível cozinharem um peixe que o cliente trouxer. Aqui mais perto, na Galiza, foi o restaurante do Hotel Rustico Puerto Arnela que ficou na memória dos viajantes, com uma seleção de caranguejos, lagostins, camarões, amêijoas e percebes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um dos melhores restaurantes de praia no top 10 do The Guardian é português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião