Na praia, no deserto ou até numa árvore. Estas foram as dez casas mais populares do Airbnb em 2018

A casa mais popular do ano passado situa-se em Queenstown, na Nova Zelândia. O Airbnb descreve-a como uma uma casa de arquitetura "industrial moderna" e localizada no "encanto do mundo".

O Airbnb costuma partilhar, através da sua conta na rede social Instagram, algumas fotografias das melhores casas que fazem parte do seu catálogo, sejam elas na praia da Califórnia, no deserto do Saara ou até numa árvore em plena cidade de Nova Iorque.

A plataforma online recuou ao ano passado e divulgou quais foram as casas que mereceram mais gostos no seu Instagram. Ainda que Portugal não conste dessa lista, o destino mais popular é europeu. Quatro das dez casas do Airbnb mais desejadas localizam-se em Itália, segundo escreve o Business Insider (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Em 2018, a casa mais popular no Instagram do Airbnb foi o “Retiro Alpino”, em Queenstown, na Nova Zelândia. A empresa liderada por Brian Chesky descreve a arquitetura desta casa como “industrial moderna” e a localização como o “encanto do mundo”. No Airbnb, alugar esta mansão tem um custo de 217 euros por noite.

Embora seja a mais popular, o “Retiro Alpino” situa-se a meio da escala dos preços das dez casas da lista. A mais cara é a nona mais cobiçada. Situa-se em Piano di Sorrento, em Itália, e passa uma fatura de 359 euros por noite.

Pelo contrário, a casa mais barata fica nas Filipinas e foi a décima mais popular do Instagram no ano passado. Passar uma noite nesta casa triangular, em pleno jardim tropical, custa 59 euros.

Percorra a fotogaleria e conheça a lista das casas mais populares no Airbnb. As dez têm, com comum, a vista das janelas para a paisagem natural ao redor da moradia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Na praia, no deserto ou até numa árvore. Estas foram as dez casas mais populares do Airbnb em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião