Primeiro dormir, agora reunir-se. Airbnb compra startup dinamarquesa de aluguer de espaços para reuniões

O Airbnb quer conciliar a necessidade de alojamento, em viagens, com a necessidade de ter um espaço para eventuais reuniões ou sessões de team building. A Gaest é a sua mais recente aquisição.

O Airbnb anda às compras e o objetivo é expandir a sua rede de ofertas. Do aluguer de alojamento, a plataforma online quer agora passar para o aluguer, por apenas por algumas horas, de espaços de reuniões. O primeiro passo já foi dado, através da compra da startup dinamarquesa Gaest.

Fundada por Anders Mogensen, a Gaest é uma plataforma que permite alugar espaços para reuniões, para eventos de team building e até mesmo para sessões de fotografias. De acordo com o Business Insider (acesso livre, conteúdo em espanhol), o anfitrião, tal como no Airbnb, anuncia os seus espaços para alugar e, do outro lado, o hóspede faz a reserva.

“Os profissionais chegam a passar metade do tempo em que estão a viajar, a trabalhar. As reuniões e os eventos oferecem uma oportunidade única para que o Airbnb se ocupe de ambos os casos”, diz a empresa em comunicado. Por enquanto, a startup dinamarquesa vai continuar a funcionar numa plataforma única, mas já com os colaboradores incorporados na nova dona, o Airbnb.

Com esta estratégia de crescimento, o Airbnb prepara-se para competir com empresas como, por exemplo, a WeWork, que permite, também, que os trabalhadores aluguem espaços de escritórios por curtos períodos de tempo. No entanto, a Gaest ainda só oferece serviços em cidades de seis países, dos quais Portugal não faz parte da lista.

Os termos do acordo ainda não foram revelados. Contudo, em 2017, o Airbnb foi avaliado em 31.000 milhões de dólares, o equivalente a aproximadamente 27.000 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeiro dormir, agora reunir-se. Airbnb compra startup dinamarquesa de aluguer de espaços para reuniões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião