Airbnb quer transformar anfitriões em acionistas da empresa

A plataforma já enviou uma carta à SEC a solicitar a revisão da legislação. A Uber e a Lyft também já estudaram esta hipótese.

O Airbnb quer oferecer aos seus anfitriões a hipótese de se tornarem acionistas da plataforma, tendo já solicitado à SEC uma revisão da legislação para permitir que isso aconteça, avança o site americano Axios (conteúdo em inglês). Não será um processo fácil, uma vez que a lei federal dos Estados Unidos determina que as empresas privadas podem conceder ações apenas a funcionários e a investidores, mas não a contratados.

“Como um mercado de economia partilhada, o Airbnb é bem-sucedido quando os hosts são bem-sucedidos. O Airbnb é uma empresa de base comunitária e não seria nada sem os nossos anfitriões. Gostaríamos que os nossos anfitriões mais leais fossem acionistas, mas precisamos que essas políticas sejam alteradas para que isso aconteça“, lê-se na carta enviada à SEC — Securities and Exchange Commission (equivalente à CMVM).

Atualmente, a lei dos Estados Unidos permite que as empresas privadas concedam ações apenas a funcionários e a investidores. No entanto, o Airbnb quer abrir uma exceção aos seus hosts, uma vez que a maioria se encontra fora de território norte-americano.

“Acreditamos que as empresas do século XXI são mais bem-sucedidas quando os interesses de todas as partes estão alinhados. Para empresas que partilham economia, como o Airbnb, isso inclui os nossos funcionários e investidores, mas também os anfitriões que usam o nosso mercado“, disse o CEO, Brian Chesky, em comunicado ao Axios.

Contudo, mesmo que a lei venha a ser alterada, a SEC teria de avaliar as implicações fiscais destas transferências de ações. Para além disso, teria também de ser revista a lei que atualmente limita o número total de acionistas até que a empresa esteja sujeita a relatório públicos periódicos.

O Airbnb não é a primeira empresa a analisar a partilha de ações. A Uber e a Lyft também já discutiram com a SEC essa hipótese no ano passado, assim como a startup de boleias Juno, que queria oferecer ações aos seus motoristas, mas que acabou por desistir ao perceber que o processo seria bastante difícil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbnb quer transformar anfitriões em acionistas da empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião