Airbnb deu a Lisboa e Porto 3,5 milhões em taxa turística nos primeiros seis meses do ano

  • Marta Santos Silva
  • 7 Agosto 2018

Só a Câmara de Lisboa recebeu, no primeiro semestre de 2018, 2,6 milhões de euros em taxa turística da parte da plataforma Airbnb. No total, a empresa recolheu e entregou 9,1 milhões desde 2016.

Desde 2016, a Airbnb já recolheu 9,1 milhões de euros em taxas turísticas que foram entregues aos municípios portugueses correspondentes. Só no primeiro semestre de 2018, as taxas turísticas entregues a Lisboa e Porto chegaram aos 3,5 milhões de euros, refere ainda a empresa num comunicado enviado esta terça-feira às redações.

A empresa refere que só no que toca à Câmara Municipal de Lisboa, foram cobrados através do site de reservas e subsequentemente entregues ao município 2,6 milhões de euros em taxa turística. No Porto, onde a taxa turística foi instituída em março e tem acordo com a Airbnb desde abril, foram recolhidos em três meses 963 mil euros, igualmente entregues à Câmara.

A taxa turística existe em Lisboa desde 1 de janeiro de 2016, e tem o valor de um euro por noite, até sete euros, por cada hóspede. Os hóspedes devem fazer o pagamento, que é relativo às dormidas na cidade, e os exploradores dos empreendimentos turísticos ou alojamento local devem fazer a coleta e passar o valor à Câmara Municipal. Este ano, foi decidido que cinco milhões de euros provindos destas receitas seriam destinados à limpeza urbana, especialmente em freguesias lisboetas como Santa Maria Maior, Misericórdia e Santo António, mais sujeitas à pressão turística.

No Porto, a taxa turística começou a ser cobrada a 1 de março deste ano, tendo o acordo com a Airbnb sido celebrado a partir de abril. O valor em causa é de dois euros por noite no caso de hóspedes com mais de 13 anos, e tem também um máximo de sete dias.

A Airbnb diz ser a única plataforma que coleta a taxa turística em Portugal. O gestor de marketing da Airbnb para a Península Ibérica, Arnaldo Muñoz, sublinhou no comunicado da empresa que a Airbnb facilita o pagamento da taxa turística além de tornar “mais fácil para os anfitriões pagar a sua justa parte dos impostos”. Muñoz aproveita ainda para criticar a nova legislação do alojamento local, que considera “um passo na direção errada”, ao “aumentar a burocracia para todos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbnb deu a Lisboa e Porto 3,5 milhões em taxa turística nos primeiros seis meses do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião