Eduardo Cabrita diz que Ministério da Agricultura não tem nenhum plano por aprovar

Produtores Florestais do Barlavento Algarvio dizem que esperam um plano combate aos incêndios para o Algarve há meses. Eduardo Cabrita afirma que o Ministério da Agricultura não tem nenhum plano.

O ministro da Administração Interna diz que não há qualquer plano por aprovar pelo Ministério da Agricultura, ao contrário do noticiado esta terça-feira pelo jornal Público.

“Não está por aprovar nenhum plano de gestão de Monchique relativo à Zona de Intervenção Florestal de Perna da Negra”, frisa o comunicado do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), enviado às redações minutos depois da intervenção de Eduardo Cabrita.

De acordo com o ICFN, a Associação dos Produtores Florestais do Barlavento Algarvio (ASPAFLOBAL) apresentou, de facto, uma candidatura à medida 8.1.3, “Prevenção da Floresta contra Agentes Bióticos e Abióticos” do Programa de Desenvolvimento Rural – PDR 2020 e é esta candidatura “que se encontra em análise”, uma vez que as candidaturas ao PDR 2020 “obedecem a rigorosos requisitos, impostos pela legislação comunitária para a sua aprovação”.

Segundo refere comunicado, tais requisitos não foram cumpridos pela ASPAFLOBAL e, por isso, a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, a entidade que analisa estas candidaturas, pediu alguns esclarecimentos adicionais à associação. Estas questões “não foram respondidos até ao momento” pela associação, argumenta o ICNF.

A polémica surge no dia que foi noticiado que os produtores florestais do Barlavento Algarvio esperam há meses um plano de prevenção e combate aos incêndios, que está parado, à espera de aprovação, no Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas. De acordo com a Associação dos Produtores Florestais do Barlavento Algarvio, este projeto seria estruturante para a Zona de Intervenção Florestal (ZIF) da Perna Negra, precisamente o local onde começou o incêndio de Monchique.

Entra hoje em ação o comando nacional

Na conferência de imprensa, transmitida em direto pela SIC Notícias, Eduardo Cabrita anunciou ainda que o comando nacional da Proteção Civil vai entrar em ação. “Decidimos, ao fim destes dias, passar a operação para o comando nacional”, disse. No entanto, o ministro da Administração Interna salientou o trabalho do comandante distrital da Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto. “O comandante Vaz Pinto tem feito um trabalho notável, quer ao nível da competência técnica, quer do empenho pessoal”, referiu.

Apesar de confirmar que as temperaturas e as condições climáticas são “adversas” ao combate ao incêndio de Monchique, nomeadamente a humidade e o vento, Eduardo Cabrita salientou e reforçou que “a resposta de todas as entidades do sistema tem sido notável”. O ministro elogiou a coordenação entre as várias entidades, desde bombeiros, forças armadas, autarquias locais e embaixadas, tal como a execução dos princípios do guia “Aldeia Segura, Pessoas Seguras”.

“Portugal registou mais de 7.000 incêndios desde o início do ano, mas a boa notícia é que a generalidade desses incêndios não são notícias”, disse o ministro, elogiando a rápida resposta a cerca de 500 incêndios rurais que deflagraram nos últimos dias. Para Cabrita, “é muito positivo que esta seja a única ocorrência significativa no país”. Tal é possível devido ao “esforço de prevenção e limpeza das florestas”, acrescentou.

Quando questionado sobre a visita que fez a Monchique, juntamente com António Costa, no passado dia 1 de junho, o ministro da Administração Interna salientou que, na altura, frisaram que o Algarve era uma prioridade, tal como o é neste momento. Sobre os cerca de 15 a 20 mil hectares ardidos, acrescentou que a primeira prioridade é agora a vida humana.

Por isso mesmo não considera que seja altura para balanços. “Agora é tempo de combate, mal o incêndio seja extinto iniciaremos esse levantamento da dados”, sublinhou.

17 localidades estão sem eletricidade

Pelo menos 40 quilómetros de linha da EDP ficaram danificados, na sequência do incêndio que lavra em Monchique. De acordo com a empresa do setor energético, há 17 localidades que estão sem abastecimento de energia elétrica, seja porque as linhas ficaram destruídas, seja por questões de segurança determinadas pela Proteção Civil.

A diretora de comunicação da EDP Distribuição, Fernanda Bonifácio, disse à agência Lusa que, apesar de serem 17 as localidades sem eletricidade, o número de pessoas afetadas “não é muito significativo”. Foram colocados 10 geradores em várias localidades, mas, neste momento, só dois estão ligados. Os restantes só estarão a funcionar quando se reunirem as condições de segurança necessárias.

Perante a intensidade das chamas, a EDP Distribuição decidiu prolongar o “estado de alerta” até, pelo menos, amanhã em toda a região do Algarve, tendo as equipas da região mobilizadas.

(Última atualização às 13h54)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eduardo Cabrita diz que Ministério da Agricultura não tem nenhum plano por aprovar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião