A rival indiana da Uber quer entrar na Europa. Reino Unido é o primeiro escolhido

Criada na Índia, a plataforma de transportes já está também presente na Austrália, mercado onde entrou em fevereiro. Estreia na Europa acontece em setembro.

A rival indiana da Uber, Ola, vai expandir-se para a Europa. O Reino Unido foi o país escolhido para a estreia da empresa de transporte e mobilidade, fundada em 2010, no mercado europeu. Já na Austrália, a primeira expansão internacional, em fevereiro deste ano, encontra-se em sete cidades. No Reino Unido vão focar-se inicialmente em South Wales, onde começam operações no próximo mês, e na grande Manchester, adianta o TechCrunch (acesso gratuito).

Na Índia, a plataforma é a mais popular do país e está já presente em 110 cidades. Segundo o comunicado da empresa, a Ola está a trabalhar com as autoridades britânicas para se expandir pelo país até ao fim do ano. Apresenta-se como a única aplicação móvel no Reino Unido “que oferece aos passageiros a opção de serviços desde veículos de contratação privada a táxis pretos”, os tradicionais britânicos.

O modelo de negócio da Ola oferece várias opções de transporte, desde SUVs e carros de luxo, e ainda motas e Tuk Tuks. Tem uma aplicação, a Ola Play, para entretenimento durante a viagem, e, tal como na Uber, o utilizador não necessita de levar dinheiro consigo. A empresa conseguiu investimentos no valor de três mil milhões de dólares, de investidores como o SoftBank e a chinesa Tencent.

A escolha do Reino Unido, de acordo com Bhavish Aggarwal, co-fundador e CEO da Ola, citado em comunicado, prende-se o facto de o país ser “um sítio fantástico para fazer negócio”. A empresa quer ainda “providenciar um serviço que ajuda o país a responder às necessidades de mobilidade”.

A Uber enfrentou alguns problemas em Londres, onde perdeu a sua licença, por não ter reportado crimes alegadamente cometidos por alguns motoristas ao serviço da plataforma. Conseguiu recuperá-la, em junho deste ano, mas com uma validade mais curta do que anterior, passando de cinco anos para 15 meses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A rival indiana da Uber quer entrar na Europa. Reino Unido é o primeiro escolhido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião