Quanto ganha um motorista da Uber? E de táxi, de metro e de autocarro?

O ECO foi tentar saber quanto leva para casa um motorista da Uber, um taxista, um maquinista do metro e um motorista de autocarro. Os valores podem variar, mas conseguimos algumas estimativas.

Quanto leva para casa um motorista de autocarro? Quanto ganha um maquinista do metro? Quanto recebe um taxista? E que rendimento consegue alguém que trabalha ao serviço da Uber? Quando se fala em salários, é quase impossível chegar a um valor concreto. O mercado de trabalho é grande e a diversidade de pessoas e salários também. Mas há forma de obter estimativas.

O ECO foi à procura de valores médios junto de responsáveis e profissionais das várias áreas. Estas variam de fonte para fonte, de empresa para empresa. E quase por certo os valores reais variam muito. Ainda assim, nas próximas linhas, tentaremos dar uma ideia sobre quanto recebem estes profissionais do setor dos transportes.

Quanto recebe um motorista de autocarro?

Para perceber quanto ganha um motorista de autocarro de passageiros, o ECO fez a pergunta a Manuel Oliveira, vice-presidente do Sindicato Nacional de Motoristas (SNM). “Em média, o ordenado base no setor anda à volta dos 635 euros”, disse o dirigente sindical. Mas o valor real pode ser diferente, pois existem componentes variáveis nestes salários, nomeadamente o subsídio de agente único.

Segundo Manuel Oliveira, no passado, os autocarros tinham, para além de um motorista, um cobrador bilheteiro. “No passado, o motorista só tinha a responsabilidade de conduzir o autocarro e fazer as paragens. No que dizia respeito ao passageiro, era responsabilidade do cobrador bilheteiro”, contou o sindicalista. Ora, “por força da extinção dessa categoria profissional, o motorista passou a desempenhar as duas funções. Ficou a receber uma percentagem do que o outro trabalhador recebia”, afirmou. Essa percentagem ronda os 25%.

Então, em que ficamos? Falando em valores líquidos, um motorista é capaz de levar para casa pouco menos de 700 euros, de acordo com Manuel Oliveira. Mas o vencimento “pode bater” nos 700 a 1.000 euros “limpos” no caso de motoristas “que têm uma carga horária bem mais elevada” do que o habitual.

Quanto recebe um maquinista do metro?

O salário de um maquinista do metro também está sujeito a algumas componentes variáveis, pelo que é difícil apurar valores concretos. No entanto, o ECO falou com Silva Marques, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Tração do Metropolitano de Lisboa (STTM), que salientou que a profissão de maquinista do metro é “muito diferente” da profissão de maquinista da CP, por exemplo. “O desgaste dos maquinistas de metro é completamente diferente”, até porque trabalham sem ver a luz do dia.

O salário bruto base de um maquinista do metro de Lisboa rondará os 1.200 a 1.300 euros, aos quais somam as componentes salariais variáveis e subtraem os descontos para a Segurança Social e o IRS. As variáveis em causa são o subsídio de agente único ou o subsídio por trabalho noturno, mas também o trabalho em dias de feriado.

Ainda assim, instado pelo ECO a avançar um valor médio líquido, Silva Marques apontou para os 1.300 a 1.400 euros de vencimento “que os maquinistas levam todos os meses” para casa. Mas, como já indicámos, o valor real poderá variar muito.

Quanto recebe um taxista?

Os taxistas podem trabalhar por conta própria ou por conta de outrem, sendo que precisam, essencialmente, de um alvará para o automóvel e a Certificação de Aptidão de Motoristas (CAP), o documento que dá acesso à profissão. Em ambos os casos, há vantagens e desvantagens: enquanto um taxista por conta própria pode ser capaz de gerar mais rendimentos, tem também outras despesas avultadas. Em contrapartida, quem trabalha por conta de uma empresa, por norma, não tem de assumir o custo do alvará ou eventuais despesas com a manutenção do táxi.

Para obter uma estimativa de quanto ganha um taxista, o ECO contactou Carlos Ramos, presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), que adiantou alguns valores: o salário base ronda os 640 euros e mais cerca de 110 euros de subsídio de refeição e, nos casos em que se aplicam, mais 101 euros de subsídio de isenção de horário de trabalho e cerca de 103 euros de subsídio noturno.

Questionado sobre um valor médio líquido, Carlos Ramos apontou que um taxista será capaz de levar para casa cerca de 800 euros por mês, mas o valor não é fixo, tendo em conta as diversas componentes do vencimento. Há taxistas com isenção de horário trabalho, outros que só trabalham durante o dia e ainda outros que também trabalham durante a noite.

Quanto recebe um motorista da Uber?

Como acontece no setor do táxi, os motoristas da Uber podem trabalhar por conta própria ou por conta de uma empresa parceira da plataforma. As vantagens e desvantagens variam muito: algumas empresas contratam motoristas e fornecem o carro e o combustível, outras contratam motoristas sem fornecer o automóvel. Já trabalhar por conta própria envolve ter de abrir uma empresa, gerir a contabilidade e por aí em diante.

A ideia geral no mercado é a de que um motorista por sua própria conta é capaz de obter mais rendimentos. Isto porque os motoristas contratados por uma empresa parceira têm de pagar uma comissão de 25% à Uber e, na esmagadora maioria dos casos, outra comissão à empresa parceira.

A complicar ainda mais a busca por uma resposta está o facto de a Uber pertencer à chamada gig economy. Muitos motoristas têm liberdade para escolher quando e onde trabalham, podendo interromper a atividade quando entendem. Outros cumprem turnos de 12 horas que, em termos de condução efetiva, rondará as dez horas de trabalho (a aplicação fica offline quando é ultrapassado esse tempo). Existem ainda motoristas que trabalham em regime de tempo parcial, obtendo menos rendimentos do que o “normal” por causa disso.

Posto isto, o ECO falou com Vítor Conceição, gerente de uma empresa parceira da Uber, que tem dois anos e meio de experiência no setor. O profissional explicou que é comum um motorista da Uber a tempo inteiro gerar entre 800 a 900 euros líquidos por mês, dependendo da quantidade de trabalho e da altura do ano. Alguns motoristas ficam-se pelos 500 a 600 euros. Em regime de part time, um motorista da Uber ganhará entre 300 a 400 euros mensais.

Mas importa mais uma vez salientar que os vencimentos reais variam muito. Até porque só esta terça-feira é que Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, promulgou a lei que regulamentará esta atividade.

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quanto ganha um motorista da Uber? E de táxi, de metro e de autocarro?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião