Wall Street avança com a Fed. Boeing continua a perder valor

Numa sessão em que as ações da Boeing estão a cair quase 3%, as bolsas norte-americanas escapam às quedas. Os investidores estão otimistas quanto à reunião da Fed.

Numa sessão em que a Boeing está novamente a desvalorizar, ao cair quase 3%, as bolsas norte-americanas mantêm-se acima da linha de água. A contribuir para este sentimento positivo em Wall Street está a reunião da Reserva Federal dos EUA (Fed), esta quarta-feira, com os investidores à espera de uma atitude mais “paciente” de Powell em relação à política monetária.

Enquanto o S&P 500 está a subir 0,24% para 2.829,38 pontos, o Nasdaq valoriza 0,31% para 7.712,15 pontos, isto apesar de o Facebook estar a recuar 2,84% para 161,22 dólares, depois de um analista da Needham ter revisto em baixa as ações da empresa, mostrando-se preocupado em relação às questões de privacidade da rede social, diz a CNBC (conteúdo em inglês).

Por sua vez, o industrial Dow Jones esteve a desvalorizar mas, por esta altura, recupera das quedas recentes, seguindo a valorizar 0,10% para 25.873,43 pontos.

A impedir subidas mais expressivas nas praças norte-americanas estão as ações da Boeing, que recuam 2,97% para 367,73 dólares, depois de as autoridades da Etiópia terem analisado a caixa negra do avião que se despenhou na semana passada e terem encontrado “claras semelhanças” entre este acidente e outro que ocorreu em outubro com uma aeronave da Lion Air.

O desempenho positivo de Wall Street deve-se à reunião desta quarta-feira da Fed. Os investidores aguardam uma postura mais “paciente” por parte do banco central e que este cumpra a promessa de adiar o aumento das taxas de juro.

O foco da semana é obviamente a Fed, que vai apresentar-se mais otimista” para o rumo da economia. Ainda assim, diz Peter Cardillo, a expectativa dos investidores é de que Powell acabará por avançar com “uma redução da taxa de referência, embora não de forma expressiva para evitar o stress em torno dos juros baixos”, diz o economista da Spartan Capital Securities, citado pela Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street avança com a Fed. Boeing continua a perder valor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião