Navigator procura terras com eucalipto em Espanha. Já tem um projeto na Galiza

  • ECO
  • 20 Março 2019

A estratégia segue em linha com os objetivos traçados em 2017, quando o grupo divulgou a intenção de explorar mais terras em Espanha e menos em Portugal devido às restrições ao eucalipto.

A Navigator procurou em Espanha alternativas às restrições portuguesas à área destinada à plantação de eucaliptos. A Galiza e a Andaluzia são duas regiões estratégicas para a aquisição de madeira do grupo, que já iniciou com um projeto de arrendamento para gestão florestal, diz esta quarta-feira o Jornal de Negócios (acesso pago).

“Aqui mesmo ao lado, em Espanha, encontramos duas regiões estratégicas para a aquisição de madeira: Galiza e Andaluzia”, revela o relatório e contas de 2018 da Navigator, que será apresentado na assembleia-geral da empresa a 9 de abril, citado pelo Negócios. “Por se situar a uma grande proximidade e apresentar características, em termos de terrenos florestais muito semelhantes ao Norte de Portugal, a Galiza foi alvo, em 2018, de um projeto específico, explica.

A estratégia segue em linha com os objetivos traçados em 2017, quando o grupo divulgou a intenção de explorar mais terras em Espanha e menos em Portugal devido às restrições à plantação de eucaliptos decretadas em Portugal. A Navigator gere, em território português, um total de 110 mil hectares de floresta. Na apresentação dos resultados, o grupo acrescentou que pretende “arrendar novas matas a proprietários que optem por não gerir, eles próprios, os seus terrenos”.

A Navigator fechou o ano passado com lucros de 225,1 milhões de euros, um aumento de 8,4% face ao verificado no ano anterior. A papeleira suporta o aumento do resultado alcançado em 2018 com a “evolução muito favorável dos preços” que ajudou a compensar as perdas sofridas devido a paragens de produção que afetaram a sua atividade no ano passado, revela em comunicado enviado ao mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Navigator procura terras com eucalipto em Espanha. Já tem um projeto na Galiza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião