Veiga Sarmento critica custos e reforço da “velha” estrutura na reforma da supervisão financeira

  • ECO
  • 31 Março 2019

O presidente da APFIPP considera que o Governo foi pouco ambicioso na proposta. Critica o modelo de reforço de uma estrutura já existente em detrimento da criação de um supervisor único.

O presidente da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP) considera que o Governo poderia ter ido mais longe na reforma da supervisão financeira. Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1 (acesso pago), José Veiga Sarmento defende que a proposta de lei, que será ainda discutida no Parlamento, implica maiores custos e um reforço de uma estrutura velha.

“Era a oportunidade, numa situação nova, de encarar o tema da reforma da supervisão de uma forma mais aberta e mais construtiva. Não creio que foi isso que tenha acontecido”, afirmou Veiga Sarmento, na Conversa Capital, espaço de entrevista conjunto do Negócios e Antena 1. “O que se decidiu foi construir sobre o velho e considerar acrescentar estruturas e custos a uma estrutura que necessitava de uma reformulação maior“.

O representante do setor dos fundos de investimento considera que faltou ambição ao Executivo, no diploma que tem como base o reforço dos poderes do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF). A entidade já existia, mas ganha novas funções. Veiga Sarmento discorda da solução. “Uma entidade única é uma prática que vemos em muitos outros países e tem razão de ser” e é “o que devia ter acontecido”, disse.

A APFIPP une-se, assim, às vozes críticas sobre a proposta. O balanço que os três supervisores fazem da reforma da supervisão financeira nos seus pareceres é positivo, mas as críticas — especialmente focadas em possíveis limitações à independência e a custos acrescidos para o sistema financeiro — e sugestões de alterações à forma de funcionamento são muitas.

A reforma da supervisão financeira foi, pela primeira vez suscitada, no início da legislatura do atual Governo. Há mais de três anos que o Executivo liderado por António Costa fala em mudanças que possam prevenir problemas na banca como os que ocorreram no passado e continuam a ter custos para os contribuintes, incluindo BPN, BES ou Banif. Veiga Sarmento sublinhou ainda que as criticas feitas no passado às falhas da supervisão “responsáveis pela destruição do sistema financeiro continuam válidas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Veiga Sarmento critica custos e reforço da “velha” estrutura na reforma da supervisão financeira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião