PSI-20 interrompe série de ganhos. Galp e EDP pesam em Lisboa

Um dia depois de completar o maior ciclo de ganhos dos últimos dez meses, durante o qual “engordou” perto de 1,8 mil milhões de euros, PSI-20 fecha sessão no vermelho, com recuo de 0,39%.

O ciclo de ganhos do PSI-20 quebrou ao fim de sete dias consecutivos, com a praça portuguesa a cair 0,39% ao longo da sessão desta quinta-feira, com a Galp a ser um dos fatores mais determinantes nesta evolução, ainda que a empresa tenha conseguido atenuar a queda registada nas primeiras horas de negociação, altura em que chegou a perder 1,85%.

Além da petrolífera, que recuou 0,87%, o dia também foi negativo para a maioria das cotadas do setor da energia, com a EDP e a REN a fecharem a sessão no vermelho, com desvalorizações de 0,56% e 0,58%, respetivamente. A maior queda do dia, porém, ficou reservada para os CTT, que perderam 1,73%. No lugar oposto ficou a Mota-Engil, que ganhou 0,7%, sendo uma das seis empresas que valorizou ao longo da negociação.

A nível europeu a evolução foi de sentido misto, com o registo de ligeiras quedas e subidas. O Eurostoxx 600 recuou 0,3%, o Footsie100 caiu 0,17% e a bolsa francesa 0,02%. Em sentido contrário evoluíram as bolsas alemã (+0,31%) e espanhola (+0,87%).

Já a bolsa italiana caiu 0,23% na sessão, um dia depois de ter entrado em bull market. Apesar da queda na negociação de esta quinta-feira, o FTSE MIB acumula ganhos de 20,15% desde o último mínimo, atingido a 27 de dezembro de 2018, ganho atribuído pelos analistas a uma correção após fortes perdas.

PSI-20 interrompe série de ganhos

“Apesar de demonstrar alguma performance superior desde o início do ano, Itália tem tido um desempenho abaixo da média desde as eleições em 2018”, afirmaram os estrategas de ações da UBS, João Toniato e Nick Nelson, numa nota citada pela Reuters.

“Os dados apontam para um mercado barato, mas no qual os resultados também são fracos e não há um catalisador óbvio para desbloquear valor. As avaliações sugerem espaço limitado para desvalorizações, mas para mais subidas se materializarem, será necessário ver maior impulso nos lucros e diminuição nas preocupações políticas”, referiram.

Também as notícias que nos últimos dois dias têm dado conta de uma revisão em baixa das perspetivas macroeconómicas pelo governo italiano terão pesado na evolução negativa registada na sessão, analisa a Reuters. À imagem de Itália, também Portugal reviu recentemente em baixa as perspetivas macro, tal como o ECO noticiou em primeira mão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSI-20 interrompe série de ganhos. Galp e EDP pesam em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião