Exclusivo Governo corta previsão de crescimento para 1,9%, mantém défice nos 0,2%

O Governo prepara-se para rever em baixa o crescimento esperado para a economia portuguesa em 2019 de 2,2% para 1,9%. Novas previsões do Programa de Estabilidade mantêm meta do défice.

O Governo vai rever em baixa a previsão de crescimento para a economia portuguesa este ano para 1,9%, dos 2,2% previstos no Orçamento do Estado para 2019, apurou o ECO. A meta do défice vai manter-se em 0,2%, apesar da revisão do crescimento económico em três décimas.

Mário Centeno já tinha admitido uma revisão da previsão de crescimento económico em cerca de duas décimas, e, em entrevista à SIC, o ministro já preparava terreno. “O impacto que neste momento projetamos, até porque a economia portuguesa no primeiro trimestre está a comportar-se muito melhor do que estava no trimestre anterior, é uma atualização relativamente aceitável, idêntica aquela que tivemos na revisão do PIB do final do ano passado. Foram duas décimas. Não gostaria que ficássemos presos no valor de 2%. Pode ser 2,1%, pode ser 1,9%”, disse.

Na previsão que irá incluir no Programa de Estabilidade, o Governo vai mesmo rever a previsão de crescimento para 1,9%, deixando assim de ter a previsão mais otimista para o próximo ano. No entanto, a previsão do Governo continua a ser a segunda mais otimista. Só a OCDE espera mais crescimento este ano, 2,1%. A previsão do Governo é agora igual aquela que o Conselho das Finanças Públicas fazia em setembro, mas entretanto a instituição já mudou a sua previsão para 1,6%, a mais pessimista.

O Banco de Portugal também que reviu as suas previsões em baixa ainda na semana passada, cortando a previsão de crescimento para 1,7%.

No entanto, apesar da revisão em baixa da previsão de crescimento, o Governo não irá rever a meta do défice, sabe o ECO. No Orçamento do Estado para 2019, o Governo estabeleceu como meta um défice de 0,2%.

Mas quando ficaram conhecidos os resultados do ano passado, com o défice a fixar-se em 0,5% — duas décimas abaixo do previsto, um resultado (mais uma vez) melhor que o esperado — havia expectativa de que a meta pudesse ser novamente revista, tal como aconteceu há um ano, no Programa de Estabilidade. Uma das personalidades que levantaram a hipótese de não haver défice já este ano foi o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Mas as contas do défice devem ficar mais complicadas devido ao abrandamento da economia, que serve de base ao cálculo, às menores receitas fiscais que resultam desse abrandamento, e ainda a pressões orçamentais como a necessidade de vir a injetar mais capital no Novo Banco, algo que está previsto no acordo de venda do banco que resultou da resolução do BES.

Nas contas do Orçamento, como explicou Mário Centeno, estão previstos 400 milhões de euros para o Novo Banco, mas a instituição disse que iria pedir quase 1.150 milhões de euros ao Fundo de Resolução, depois de apresentar prejuízos de 1.412 milhões de euros em 2018.

O ministro das Finanças tem tentado distanciar as injeções de capital no Novo Banco das contas do défice, dizendo que se trata de um empréstimo. Formalmente, o Novo Banco pede o dinheiro ao Fundo de Resolução, que cabe aos bancos financiar, mas a falta de fundos nessa entidade obriga o Estado a fazer esse empréstimo, com o pagamento a ser escalonado ao longo de vários anos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo corta previsão de crescimento para 1,9%, mantém défice nos 0,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião