Centeno: “Não foi preciso um milagre” para estabilizar as contas públicas

Mário Centeno enaltece o défice de 0,5% do PIB, em 2018. Diz que este Governo "não precisou de um milagre" para estabilizar as contas públicas.

Portugal fechou o ano passado com um défice de 0,5%. É um resultado histórico. Mário Centeno, ministro das Finanças do Governo de António Costa, enaltece o feito, mas diz que “não foi preciso um milagre” para estabilizar as contas públicas.

“Não tenhamos dúvidas, não foi preciso um milagre, nem era aritmeticamente impossível alcançar estes resultados”, sublinhou o governante. Esta manhã, o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) revelou que o défice fechou o ano passado em 0,5% do PIB, tendo ficado duas décimas abaixo das expectativas do Governo e em linha com o valor antecipado pelo Conselho de Finanças Públicas.

Por outro lado, questionado sobre o reflexo de uma eventual revisão em baixa das projeções do crescimento económico na meta do défice para este ano, Mário Centeno explicou: “O crescimento económico em 2019 está a sofrer de uma desaceleração [a nível] mundial, que está a ser mais prolongada do que aquilo que se esperava no verão de 2018”.

O ministro das Finanças adiantou que o Executivo português espera que a incerteza relacionada, por exemplo, com a guerra comercial e com o Brexit “se vá resolvendo”, puxando pela economia global. Por isso, Centeno reforçou que “há alguma expectativa” que essa situação de abrandamento “não se prolongue durante muito tempo”.

“Estes resultados estão inteiramente adequados à evolução da economia. A evolução do saldo orçamental não se impõe à realidade económica; Eles estão mutuamente conectados“, notou, por outro lado, o governante.

Já sobre o eventual impacto da injeção de capital pedida pelo Novo Banco nas contas nacionais, o responsável pela pasta das Finanças garantiu que tal “não interage com a Execução orçamental”.

A sete meses das eleições legislativas, Mário Centeno salientou ainda: “Não podemos prometer o que não podemos cumprir, não o fizemos em 2015, não o faremos hoje”. O ministro fez também questão de reforçar esta é a primeira vez na História da democracia portuguesa que, pela terceira vez consecutiva, se alcança os compromissos orçamentais. “Portugal ganhou a aposta da credibilidade. Mostramos à Europa que havia uma alternativa”, frisou o ministro.

“A política seguida permitiu virar diversas páginas, as mais importantes foram as das dúvidas e dos medos”, rematou Centeno.

(Notícia atualizada às 14h15).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “Não foi preciso um milagre” para estabilizar as contas públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião