UE aprova abertura de negociações para acordo comercial “limitado” com EUA

  • Lusa
  • 15 Abril 2019

O acordo comercial que poderá resultar das negociações entre a UE e os Estados Unidos será limitado a bens industriais. A agricultura não vai fazer parte destas negociações.

Os Estados-membros da União Europeia deram esta segunda-feira ‘luz verde’ à abertura de negociações comerciais com os Estados Unidos, com vista a um futuro acordo que será limitado a bens industriais, de alcance muito menor do que o famigerado TTIP.

O Conselho da União Europeia, reunido no Luxemburgo ao nível de ministros da Agricultura, aprovou esta segunda-feira o lançamento de negociações com Washington proposto em janeiro passado pela Comissão Europeia, tendo a França votado contra, sabendo de antemão que tal não inviabilizaria o aval às conversações, pois as decisões sobre matérias comerciais na UE são tomadas por maioria qualificada, não necessitando de unanimidade.

O âmbito do acordo comercial que UE e Estados Unidos vão tentar “fechar” ainda antes do final do mandato da atual Comissão Europeia (31 de outubro próximo) é muito mais restrito do que o do polémico acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento, conhecido pela sua sigla inglesa TTIP, que o Conselho da UE hoje mesmo reiterou que está “obsoleto”.

O TTIP, acordado em 2013, “caiu” na sequência da eleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos, e este “novo acordo comercial limitado” visa por fim às tensões com a Casa Branca, que ameaça taxar a indústria automóvel europeia, setor vital para a economia alemã.

O novo acordo que as partes deverão começar a negociar assim que os Estados Unidos adotarem o seu mandato negocial, abrangerá então somente bens industriais, deixando de fora os setores da agricultura, serviços e mercados públicos.

A agricultura não vai fazer parte destas negociações. Essa é uma linha vermelha para a União Europeia”, confirmou esta segunda-feira em conferência de imprensa a comissária europeia do Comércio, Cecília Malmström.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE aprova abertura de negociações para acordo comercial “limitado” com EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião