China quer proibir mineração de criptomoedas

A China, um dos principais mercados para a bitcoin, tem planos para banir a mineração de criptomoedas. As autoridades argumentam que é uma atividade sem regulação e que consome demasiados recursos.

A China tem planos para banir a mineração de criptomoedas como a bitcoin, ao abrigo de um plano que está a ser desenvolvido pelas autoridades chinesas para travar uma série de outras atividades industriais no país. A notícia foi avançada pela Reuters.

É entendimento da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China que a mineração de criptomoedas se enquadra numa lista de mais de 450 atividades que devem ser travadas no país, por não estarem enquadradas na lei e na regulação, por serem inseguras, por gastarem recursos ou por poluírem o ambiente.

O valor das moedas digitais como a bitcoin disparou no final de 2017 para níveis estratosféricos. Mas a bolha rebentou logo no início do ano passado, levando a bitcoin, a moeda mais popular, a cair mais de 80% em 12 meses. Atualmente, a bitcoin vale cerca de 5.214 dólares.

A generalidade das criptomoedas funciona com recurso à blockchain, uma tecnologia criptográfica que permite a criação de um ativo digital com oferta limitada, o que lhe permite guardar valor. A mineração é o processo descentralizado de criação de novas unidades de uma moeda e processamento das transações, sendo que a China é um dos principais locais onde este tipo de atividade é desenvolvida, devido ao baixo custo da energia e dos equipamentos.

Apesar destas informações preliminares, não se sabe se a proibição vai mesmo chegar ao terreno nem em que datas. Mas a notícia surge numa altura de forte recuperação do valor das criptomoedas. Desde 1 de abril, o valor da bitcoin já disparou mais de 27%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China quer proibir mineração de criptomoedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião