Governo cancela barragem do Fridão. Não há indemnização para a EDP

A barragem do Fridão não vai ser construída. Ministro do Ambiente assegura que EDP não tem direito a rever prémio pago há dez anos.

O Ministro do Ambiente revelou que o projeto da EDP para a construção da barragem do Fridão não vai avançar. Apesar da decisão, Matos Fernandes considera que “não há razões para a restituição de qualquer montante” do prémio pago há dez anos pela EDP para poder construir Fridão. A elétrica pagou, à data, 218 milhões de euros.

“A decisão relativamente à barragem do Fridão está tomada. Ela não irá ser construída“, afirmou o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, na Comissão do Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação. Para o mesmo responsável apesar da necessidade de reserva de água a nível nacional, não é ali que ela se coloca, além de que “existem outras formas de poder gerar essa mesma eletricidade com investimentos muito menores e impactos ambientais menores“.

Estas mesmas razões foram invocadas pela própria EDP que “por duas vezes escreveu [ao Executivo] manifestando o desinteresse na construção”, alegando “a possibilidade real” de produzir muito mais barato por via eólica ou solar, “que o risco do investimento, até com as alterações que se foram produzindo, é demasiado grande,” e que a Declaração de Impacto Ambiental é “demasiado exigente”.

"A decisão relativamente à barragem do Fridão está tomada. Ela não irá ser construída.”

Matos Fernandes

Ministro do Ambiente

Neste cenário, Matos Fernandes diz que o Executivo “avaliou e teve mesmo que avaliar, sob proposta da própria EDP, a possibilidade de construir o empreendimento com menor dimensão”, o que acabou por ser travado pelo próprio código de contratação pública que impede alterações ao projeto inicial.

Confrontado pelo deputado socialista Renato Sampaio se a EDP abdica de qualquer indemnização, o ministro do Ambiente esclarece: “Houve de facto uma manifestação de desinteresse por parte da EDP que o Estado não contraria. Mentiria se dissesse que existe um acordo já hoje” sobre a desistência da obra.

Matos Fernandes considera, no entanto, que à luz de anteriores situações, “o Estado cumprirá sempre o contrato”, mas acredita que “não há razão para qualquer restituição da verba entregue há dez anos pela EDP ao Estado“. A EDP pagou, na altura, 218 milhões de euros.

A barragem de Fridão, situada no rio Tâmega, faz parte há vários anos do Plano Nacional de Barragens, afetando vários concelhos (Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto e Mondim de Basto).

(Notícia atualizada às 11h23 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo cancela barragem do Fridão. Não há indemnização para a EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião