Bolsonaro diz que “não quer” e “não tem direito” de intervir na Petrobras

  • Lusa
  • 17 Abril 2019

Presidente brasileiro diz que "não pode" intervir na petrolífera brasileira que na semana passada perdeu 7,36 mil milhões de euros em bolsa depois de Bolsonaro travar aumento de preços.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, diz que “não quer e não tem direito de intervir” na política de preços dos combustíveis da Petrobras, segundo o porta-voz da Presidência brasileira, Otávio Rêgo Barros.

“A frase que o nosso Presidente disse logo no início da reunião: eu não quero e não tenho direito de intervir na Petrobras. Eu não quero e não posso intervir na Petrobras. Eu não quero por questões de conceito. Eu não posso por questões legais e até mesmo políticas”, relatou Otávio Rego Barros, numa conferência de imprensa no Palácio do Planalto, em Brasília.

Bolsonaro reuniu-se na terça-feira com os ministros da Economia, Paulo Guedes, de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco.

Segundo o ministro Bento Albuquerque, a reunião serviu prestar esclarecimentos ao chefe de Estado brasileiro sobre a política de preços da petrolífera estatal.

Por seu lado, Paulo Guedes adiantou que é a “Petrobras que decide reajustes, não é o ministro da Economia ou o Presidente da República“, acrescentando que a estatal “é realmente independente para estabelecer o preço do petróleo”.

As ações da petrolífera estatal brasileira tiveram na sexta-feira uma forte queda na bolsa de valores de São Paulo, depois de o Presidente do país, Jair Bolsonaro, ter vetado o aumento dos preços do gasóleo nas refinarias.

Duas horas após o encerramento da sessão, as ações ordinárias da Petrobras, que dão direito de voto aos acionistas, caíram 7,54%, enquanto as ações preferenciais, aquelas com maior valor e maior peso no mercado, caíram 6,71%, o que levou a bolsa à sua quarta queda consecutiva.

Na quinta-feira, a Petrobras anunciou um aumento de 5,74% do preço do gasóleo nas refinarias para sexta-feira, mas horas depois a empresa reverteu a decisão e anunciou que desistia desse aumento face à pressão feita por Bolsonaro.

O chefe de Estado brasileiro admitiu ter conversado com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, com o intuito de se reverter a decisão de aumentar os preços do ‘diesel’.

“Liguei para o presidente (da Petrobras), sim. Surpreendi-me com o reajuste de 5,7%. Não vou ser intervencionista e fazer práticas que fizeram no passado, mas quero ver os números da Petrobras, tanto que na terça-feira convoquei todos da Petrobras para me esclarecerem os 5,7% de reajuste, quando a inflação deste ano está projetada para menos de 5%”, declarou Jair Bolsonaro, na inauguração de um aeroporto em Amapá.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsonaro diz que “não quer” e “não tem direito” de intervir na Petrobras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião