Convento de São Francisco, em Setúbal, está à venda. Estado pede cinco milhões

As ruínas do antigo convento de São Francisco, em Setúbal, estão à venda por cinco milhões. Incluídos no pacote estão ainda cinco blocos residenciais/turísticos.

O antigo convento de São Francisco foi colocado à venda pela Estamo, propriedade do Estado, por 4,99 milhões de euros. De acordo com o anúncio, o preço inclui ainda cinco blocos residenciais/turísticos, construídos nos anos 90 pela Casa Pia. O projeto para o terreno permite a construção de uma unidade hoteleira ou habitações.

Inserido num terreno com 62.220 metros quadrados, no Lugar de São Francisco, estão as ruínas do antigo Convento de São Francisco, construído em 1410 e classificado como monumento pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). Em 1755 foi “severamente atingido” pelo terramoto e, anos depois, foi convertido num quartel, após várias obras de recuperação. Em 1955 passa para as mãos da Câmara de Setúbal que, em 1996, o cede à Casa Pia de Lisboa. Finalmente, em 2004, retorna à DGPC.

Convento de São Francisco, SetúbalEstamo

Além deste edifício, a Estamo tem ainda à venda um conjunto de cinco blocos turísticos/residenciais, construídos nos anos 90 pela Casa Pia. De acordo com o anúncio, o Plano Diretor Municipal (PDM) permite duas possibilidades: “uma área de construção de cerca de 20.000 metros quadrados, predominantemente habitação” ou “cerca de 27.800 metros quadrados para usos de hotel, aparthotel, residências seniores assistidas e equipamento de saúde”.

Convento, quartel, colégio e alojamento para famílias carenciadas

O convento data de 1410, lê-se no site da DGPC, e pertencia a Religiosos Observantes da Província dos Algarves “tendo sido, provavelmente, a primeira ordem estabelecida em Setúbal“. No século XVII e XVIII, o convento já se encontrava “muito degradado”, tendo passado por “trabalhos de reedificação” entre 1747 e 1749. Em 1755 foi “fortemente atingido” pelo terramoto que abalou Lisboa.

Em 1834, depois da reconstrução, os frades são expulsos do convento e, pouco depois, passa para as mãos da família Torlades, que mandou demolir “a maior parte do mosteiro”. O convento passou por obras no século XIX e foi reconstruído em 1874. Um ano depois foi comprado por padres da Companhia de Jesus, que “concluem as obras, reedificando a igreja e adaptando o edifício para estabelecimento de ensino“.

A igreja e o colégio foram inaugurados a 4 de outubro de 1876 e, no século XX, converteu-se o convento num quartel. Ficou devoluto anos depois com a saída dos militares. Em 1975, a DGPC cede o edifício à Câmara de Setúbal que, em 1995, lá coloca a viver famílias desalojadas. Um ano depois é cedido à Casa Pia de Lisboa e, em 1997, foi assinado um protocolo entre o Ministério do Equipamento e o Ministério de Solidariedade e Segurança Social do Município de Setúbal no sentido de recuperar o convento para lá instalar um colégio para jovens carenciados.

Finalmente, em 2004, retorna às mãos da DGPC que, dois anos depois, apresenta uma “proposta de valorização urbanística para a ocupação da área do Convento de S. Francisco e sua envolvente”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Convento de São Francisco, em Setúbal, está à venda. Estado pede cinco milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião