Convento do Beato foi vendido a grupo familiar suíço

  • ECO
  • 26 Junho 2018

O Convento do Beato vai passar das mãos da Cerealis para o grupo suíço Larf Properties. Na zona será desenvolvido um projeto urbanístico de Tomás Salgado.

A urbanização do Beato, onde se insere o famoso Convento do Beato, foi vendida pelo grupo Cerealis ao grupo familiar suíço Larfa Properties, uma holding de investimentos. Para o local está previsto um projeto urbanístico desenvolvido pela Cerealis, da autoria do arquiteto Tomás Salgado.

O grupo Larfa “irá avançar com a implementação do projeto urbanístico, acreditando que este será mais uma alavanca para a valorização desta inovadora zona da cidade, tendo ainda a intenção de continuar a investir na atividade de eventos do Convento numa base de longo prazo”, diz o Managing Diretor do Grupo Larfa Properties, Sr. Stephane Delplancq, em comunicado.

Não foram adiantados pormenores do negócio, como o valor, as áreas, e a data de conclusão. O grupo agro-alimentar Cerealis adquiriu a Nacional em 1999, e com ela veio também o Convento do Beato. Mas segundo a nota enviada à redação, “a execução do programa de urbanização exige conhecimentos e competências especificas que não se enquadram na estratégia do Grupo“.

Para o CEO da Cerealis, Rui Amorim de Sousa, citado em comunicado, “encontramos um parceiro que tornará possível manter a atividade do Convento, assim como iniciar a implementação de um projeto urbanístico de elevada qualidade, muito importante para futuro da zona do Beato.”

"A família Tryba, através da sua holding de investimentos Larfa Properties, está entusiasmada com a conclusão de este processo e consciente da responsabilidade na manutenção de um património de inestimável valor para a cidade.”

Stephane Delplancq

O Convento do Beato é classificado como património de interesse público desde 1984 e já recebeu vários eventos de cariz cultural, como o debate das autárquicas do ano passado e o Portugal Fashion. Recebeu ainda a distinção da Portugal Trade Awards como melhor sala de eventos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Convento do Beato foi vendido a grupo familiar suíço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião