Transportes e turismo já reportam lento regresso à normalidade depois da greve

  • Lusa e ECO
  • 18 Abril 2019

TST vão repor serviço regular já na sexta-feira, depois de terem suprimido algumas carreiras por falta de combustível. Turismo já regista subida na procura depois de vários cancelamentos para Páscoa.

O setor turístico e algumas empresas de transporte, como a Transportes Sul do Tejo (TST) e a Barraqueiro Transportes, que integra as transportadoras Ribatejana Verde, Barraqueiro Oeste, Mafrense e Boa Viagem, e que se viram na contingência de adaptar a oferta em função da falta de combustível, já estão a anunciar o gradual regresso à normalidade entre sexta-feira e o início da próxima semana.

A TST informou esta quinta-feira que os serviços da empresa, na Península de Setúbal, voltam à normalidade já na sexta-feira, depois de terem sido suprimidas carreiras devido à falta de combustível. “Os serviços da TST voltarão à normalidade amanhã [sexta-feira]”, garantiu a rodoviária, numa declaração enviada à agência Lusa, após ter terminado a greve dos motoristas de substâncias perigosas, que levou à supressão de várias ligações na quarta-feira.

Aliás, esta quinta-feira ainda se mantém a suspensão das carreiras que ligam Setúbal, Palmela e Pinhal Novo a Lisboa (561, 562, 563 e 564). Também as restantes ligações operadas pela TST na Península de Setúbal estão hoje a circular “de acordo com o horário de sábado”. Para minimizar o impacto da supressão de transportes nos utentes da região, a empresa tem estado a assegurar, em Palmela, uma ligação entre a estação rodoviária e a estação ferroviária.

Na quarta-feira, a TST alertou que, devido à falta de combustível, teria que suprimir alguns serviços, os quais iriam continuar a ser “progressivamente reduzidos ou suprimidos, à medida que as reservas de combustível da empresa se forem esgotando”.

Também a Barraqueiro Transportes anunciou já que, com o fim da greve dos motoristas de matérias perigosas, vai a partir de sexta-feira alterar o plano que previa supressões até 50% nas carreiras locais, urbanas e interurbanas do serviço público. Entre sexta-feira e domingo, “não se vai fazer cortes e vai-se manter a oferta prevista”, disse à agência Lusa Laurinda Martins, em nome da administração da empresa.

A partir de segunda-feira, a Ribatejana Verde, Barraqueiro Oeste, Mafrense e Boa Viagem, empresas pertencentes à Barraqueiro Transportes, “contam retomar a normalidade das carreiras se forem reabastecidas” com combustível.

As empresas mantêm as carreiras inter-regionais que têm como destino Lisboa, assim como as carreiras que fazem o transbordo para outras ligações rodoviárias ou ferroviárias, para “minimizar os prejuízos aos passageiros”.

Turismo

Já no setor turístico, que tem na Páscoa um dos períodos mais fortes, apontou que o fim da greve dos motoristas de materiais perigosos fará com que a atividade turística na região “retome a normalidade rapidamente” nesta época de Páscoa. “O Algarve estava a atingir uma situação de rotura e foi com satisfação que recebemos o anúncio do fim da greve, podendo a região retomar, muito em breve, a normalidade”, disse à Lusa Elidérico Viegas, presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

Segundo o responsável da maior associação de hoteleiros da região, a crise no setor dos combustíveis desencadeou uma “situação preocupante para a economia da região, com muitos portugueses a cancelarem as reservas na hotelaria para a Páscoa”. “Face à incerteza de haver ou não combustíveis, gerada pela greve dos motoristas de materiais perigosos, muitos portugueses que se deslocam em viatura própria decidiram cancelar as reservas que tinham”, indicou.

Elidérico Viegas adiantou que, depois do anúncio do fim da greve, “as unidades hoteleiras voltaram a registar muita procura, o que significa que pode haver uma recuperação face aos cancelamentos”. “Foi muito importante para o turismo e para a economia do país que a situação fosse rapidamente ultrapassada”, frisou.

Por seu turno, o presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA) disse acreditar que a normalidade da atividade turística da região possa ser reposta em breve. “Com o final da greve dos motoristas de materiais perigosos, hoje anunciada, serão retomadas as condições para que a atividade turística no Algarve se desenvolva com normalidade e seja dada a habitual resposta à forte procura registada nesta época da Páscoa”, frisou João Fernandes em comunicado.

Para o presidente da RTA, o Algarve está preparado para receber os turistas nacionais e estrangeiros, numa altura de forte afluência turística, “sendo que, por norma, é acautelado o reforço de serviços e produtos para corresponder às expectativas de quem procura a região algarvia pela sua hospitalidade, pela boa gastronomia, pela tranquilidade que proporciona e pelo tempo ameno, que se espera para estes dias”.

Comentários ({{ total }})

Transportes e turismo já reportam lento regresso à normalidade depois da greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião