Miguel Patrício é o português que vai assumir a liderança da Kraft Heinz

O português "com sotaque" Miguel Patrício deverá ocupar o cargo de CEO da Kraft Heinz a partir do dia 1 de julho, substituindo Bernardo Hees.

Há mais um português que vai assumir a liderança de uma grande empresa a nível mundial. Desta vez, é Miguel Patrício que vai ocupar o cargo de CEO do grupo Kraft Heinz, uma das maiores empresas no setor da alimentação. O gestor nascido em Portugal e com formação académica e profissional no Brasil estava já no ramo alimentar há vários anos, avança o Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês).

Há cerca de duas décadas na InBev, uma gigante das cervejas, Miguel Patrício era, desde 2012, o responsável máximo pelo marketing de todo o grupo, que junta marcas como a Budweiser, a Corona Extra ou a Beck’s. Agora, o executivo com pais portugueses vai saltar para o grupo bem conhecido pelas suas embalagens de molhos.

Miguel Patrício deverá ocupar o cargo de CEO da Kraft Heinz a partir do dia 1 de julho, substituindo Bernardo Hees, o atual CEO do grupo. Hees assumiu, em julho de 2013, a liderança da Kraft Heinz, tendo sido, antes, presidente da rede de fast food internacional Burger King.

Ao Financial Times, Miguel Patrício disse que está ciente dos desafios que tem pela frente e, ao mesmo tempo, confiante. “Não há nada mais doce na vida do que uma reviravolta”, afirmou. O executivo português pretende dar a volta aos prejuízos de 10,3 mil milhões de dólares — o equivalente a 9,1 mil milhões de euros — que o grupo registou em 2018.

Patrício quer antecipar novas tendências de consumo, em vez de reagir posteriormente. Da mesma maneira, o português disse estar aberto para estabelecer parcerias com outros grupos inovadores e, até, com universidades. Mas, para já, o novo CEO da Kraft Heinz está focado em estabelecer uma nova estratégia de crescimento e em familiarizar-se com o trabalho, a cultura e os números que estão por trás do negócio.

O grupo está avaliado em 63 mil milhões euros, mas, desde o início do ano, que tem vindo a perder cotação em bolsa. Quanto a mão-de-obra, a Kraft Heinz conta com 39 mil trabalhadores espalhados por todo o mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miguel Patrício é o português que vai assumir a liderança da Kraft Heinz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião