É cliente da EDP, Endesa ou Goldenergy? Veja quanto vai poupar na luz a partir de julho

Depois da descida dos preços da eletricidade, vem aí a baixa do IVA no termo fixo da luz. A partir de julho, a fatura vai baixar, em média, 6%. Veja as simulações.

É já a segunda redução no custo da eletricidade este ano. Depois da descida das tarifas no início de 2019, o Conselho de Ministros aprovou esta quarta-feira a descida do IVA na fatura da luz dos portugueses, cuja componente fixa passa a ser tributada a 6%, em vez dos atuais 23%, a partir de 1 de julho. Com as duas medidas, os consumidores vão poupar em média entre 27 e 34 euros por ano, consoante o operador.

Os consumidores domésticos viram já uma diminuição no preço da eletricidade de 3,5% no início deste ano. A descida — que teve, depois, também efeitos no mercado liberalizado, em muitos casos com valores superiores a 4% e 5% — foi divulgada no passado mês de dezembro pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e faz parte do objetivo de “baixar a fatura da energia dos portugueses”, disse António Mendonça Mendes.

Ao contrário da medida que entrou em vigor em janeiro, esta nova descida não é válida para todos os contratos: abrange apenas os contratos que não excedam os 3,45 kVA. António Mendonça Mendes, secretário de Estados dos Assuntos Fiscais, revela que esta medida deverá chegar a cerca de metade dos consumidores portugueses.

A poupança atinge, assim, os 6%. “Estes 6% resultam da conjugação da descida do mercado regulado com a descida do IVA”, continuou. Há quem poupe menos, mas também quem veja a fatura reduzir-se mais, variando em função do operador com quem tem contrato. E o próprio Ministério das Finanças fez simulações para demonstrar o efeito positivo que as medidas vão ter na carteira dos consumidores.

De acordo com os dados recolhidos pelo Ministério das Finanças, alguém que tenha uma potência contratada de 3,45 kVa e um consumo de 180 kWh — que é o consumo médio dos consumidores que têm tarifa social — conseguirá poupar, ao final do ano, entre cerca de 33 euros e 27 euros.

Na EDP, a poupança anual andará na ordem dos 6,7%, ou seja, 33,84 euros. Segue-se o valor poupado na Endesa, que ascende aos 6,3% ou 32,76 euros anuais. Por último, na Goldenergy, a poupança — que será a menos expressiva — marca 5,5%, o que corresponde a 27,72 euros por ano.

No exemplo que se segue considerámos um agregado que faça um consumo de 100 kWh e que tenha a mesma potência contratada, os tais 3,45 kVa. Neste caso, a poupança ando perto dos 20 e 23 euros.

Começando, novamente, pela EDP, os clientes deste operador vão poupar, anualmente, 7,5%, ou seja, 23,28 euros. Já na Endesa, a poupança vai rondar o 7,1%, portanto, 22,68 euros por ano, enquanto na Goldenergy a percentagem poupada situa-se nos 6,4%, o que se traduz num montante de 19,92 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É cliente da EDP, Endesa ou Goldenergy? Veja quanto vai poupar na luz a partir de julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião