Vai votar nas Europeias? Só 17% dos portugueses dizem que é “extremamente provável” irem às urnas

  • Lusa
  • 25 Abril 2019

Portugal é o país, ‘ex aequo’ com a Croácia, com a terceira percentagem mais baixa de votantes “extremamente prováveis”, atrás apenas de República Checa e Itália.

Apenas 17% dos portugueses considera ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, a terceira percentagem mais baixa na União Europeia (UE), revela o Eurobarómetro publicado pelo Parlamento Europeu (PE).

No estudo de opinião realizado entre 19 de fevereiro e 04 de março, apenas 17% dos entrevistados disse ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, que decorrerão entre 23 e 26 de maio de 2019, com 19% a responder muito provável, 15% moderadamente provável e 47% pouco provável.

Entre os Estados-Membros, Portugal é o país, ‘ex aequo’ com a Croácia, com a terceira percentagem mais baixa de votantes “extremamente prováveis”, atrás apenas de República Checa (10%) e Itália (16%), e bem distante da média europeia de 35%.

Portugal é mesmo o país do bloco comunitário onde menos jovens (apenas 3%) assumiram estar seguros de deslocar-se às urnas em 26 de maio.

Nas eleições europeias de 2014, em Portugal a taxa de participação foi de 33,67% (abaixo da média europeia de 42,54%).

Nesta consulta, só 38% dos entrevistados portugueses assumiu estar interessado no processo eleitoral europeu, enquanto 61% revelou não ter interesse nestas eleições.

Entre as razões para votarem nas eleições para o PE, os portugueses apontam em primeiro lugar o seu dever de cidadãos (55%), seguindo-se o ‘hábito’ de exercer o direito de voto em eleições (29%), com o apoio ao governo nacional a recolher apenas 17% de respostas positivas.

A principal razão para não votarem é, segundo este estudo, o sentimento de que o seu voto não altera nada (33%), seguindo-se a desconfiança no sistema político (30%).

O aparente desinteresse dos portugueses relativamente às eleições europeias pode explicar-se pelo facto de 70% dos inquiridos desejar que o PE desempenhe um papel mais importante ao nível da UE, uma percentagem mais elevada do que a média europeia de 54%.

Apesar de estarem pouco interessados nas eleições que vão definir a constituição da próxima assembleia europeia, a maioria dos portugueses acredita que a posição do seu país conta na UE e não votaria a favor de deixar o bloco comunitário.

Nesta consulta, 15% dos entrevistados portugueses disse concordar plenamente com a afirmação “a voz do meu país conta na UE”, enquanto 55% afiançou estar tendencialmente de acordo com a mesma frase.

Já a nível pessoal, 8% dos inquiridos acreditam que a sua voz conta nas decisões do bloco comunitário e 35% tendem a concordar com essa premissa.

Somando os dois valores, e apesar de ainda não alcançar a média europeia de 51%, Portugal é um dos Estados-membros que registou uma maior evolução positiva (7%) neste indicador entre o barómetro publicado pelo PE há seis meses e o Eurobarómetro de primavera hoje divulgado.

A grande novidade no barómetro agora divulgado, cujo trabalho de campo foi realizado em pleno impasse da saída do Reino Unido da União Europeia, é a questão relativa a um eventual referendo para abandonar a UE: 77% dos portugueses votaria a favor da permanência do bloco comunitário, uma percentagem bastante superior à média europeia (68%).

Os portugueses estão também entre os cidadãos dos Estados-membros com uma opinião mais favorável em relação à UE, com 82% a considerarem que o país beneficiou ao ser membro do bloco comunitário (a média comunitária está fixada nos 68%) e apenas 10% a terem uma posição contrária.

O Eurobarómetro foi realizado entre 19 de fevereiro e 04 de março através de entrevistas presenciais com 27.973 cidadãos dos 28 Estados-Membros da UE, dos quais 1.004 portugueses.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vai votar nas Europeias? Só 17% dos portugueses dizem que é “extremamente provável” irem às urnas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião