Megaoperação da PJ leva a demissão do chefe de gabinete do secretário de Estado da Proteção Civil

  • ECO
  • 2 Maio 2019

Operação de combate à fraude leva à constituição como arguido de chefe de gabinete do Secretário de Estado da Proteção Civil, que acabou por se demitir. Fatos são anteriores a entrar no governo.

O chefe de gabinete do Secretário de Estado da Proteção Civil demitiu-se depois da Polícia Judiciária ter realizado uma série de buscas na sequência de uma megaoperação de combate à fraude em subsídios comunitários, que levou à constituição de 19 arguidos, entre eles Adelino Mendes, chefe de gabinete de José Artur Neves.

Em comunicado, o governo confirmou a demissão, salientando que foi o próprio a pedir a “exoneração de funções”, tendo o pedido sido aceite pelo secretário de Estado da Proteção Civil. Na mesma nota, o executivo esclarece que as suspeitas que recaem sobre Adelino Mendes dizem respeito à sua “atividade profissional anterior ao exercício de funções no gabinete do Secretário de Estado da Proteção Civil”.

Em causa está uma megaoperação de combate à fraude na obtenção de fundos comunitários, na sequência de uma outra que decorreu em maio de 2017, escreve o Correio da Manhã, e que na altura resultou em dois detidos e na apreensão de viaturas de luxo. As buscas desta quinta-feira decorreram em 19 locais de norte a sul do país, nomeadamente nos distritos do Porto, Leiria, Lisboa e Faro.

De acordo com a TSF, em causa estarão fraudes na obtenção de subsídios comunitários, falsificação e branqueamento de fundo europeus por parte de vários empresários e empresas, que terão usado estes subsídios — como o Portugal 2020 — para lucrar indevidamente. Estes fundos da União Europeia (UE) deveriam ter sido usados para criar empregos em diversas áreas, mas terão sido desviados para automóveis de luxo e casas.

Segundo a Procuradoria-geral da República, a investigação em curso teve início há sensivelmente dois anos, num processo que conta já com 73 arguidos, 19 dos quais constituídos esta quinta-feira.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Megaoperação da PJ leva a demissão do chefe de gabinete do secretário de Estado da Proteção Civil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião