Presidente do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais arguido em fraude com fundos europeus

  • ECO
  • 3 Maio 2019

Paulo Sousa, presidente do SUCH, que participa no agrupamento Somos Ambiente, é um dos 19 novos arguidos na Operação Inovar. O agrupamento é um dos suspeitos de um esquema de sobrefaturação.

Foram constituídos 19 arguidos no âmbito da Operação Inovar, uma investigação relacionada com fraude com fundos comunitários, na obtenção de subsídios, na passada quinta-feira. Entre eles, encontra-se o presidente do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH), Paulo Sousa, escreve o Público (acesso condicionado).

O SUCH é uma associação privada sem fins lucrativos tutelada pelos ministérios da Saúde e das Finanças, que tem uma participação no agrupamento complementar de empresas Somos Ambiente. Adelino Gonçalves Mendes é vice-presidente deste agrupamento, e era também chefe de gabinete do secretário de Estado da Proteção Civil, cargo do qual se demitiu após buscas ao seu gabinete.

A suspeita é de que a Somos Ambiente, bem como outras empresas ligadas a Adelino Mendes, tinham algum envolvimento num esquema de sobrefaturação, que tinha como objetivo conseguir comparticipações da União Europeia mais avultadas do que aquelas que eram devidas, adiantam fontes próximas do assunto à publicação.

Segundo a Procuradoria-Geral da República, a investigação em curso teve início há sensivelmente dois anos, num processo que conta já com 73 arguidos, incluindo os 19 constituídos esta quinta-feira. Bruxelas está a seguir esta investigação, que envolve os fundos comunitários. “Estamos a acompanhar a situação e esperamos pelos resultados”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, citado pelo Dinheiro Vivo (acesso livre).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais arguido em fraude com fundos europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião