Governo cria grupo de trabalho para a cibersegurança. Equipa tem de apresentar relatório até 31 de julho

Foi criada uma equipa com representantes de seis entidades que deverá apresentar um relatório final das atividades e resultados até ao final de julho.

Já foi criado o grupo de trabalho para a cibersegurança, cujo principal objetivo é definir as boas práticas nesta área destinadas às empresas e aos consumidores. A equipa, constituída por representantes de seis entidades, terá de apresentar um relatório final das suas atividades e resultados até ao final de julho.

O Governo criou o Grupo de Trabalho para a Cibersegurança (GTCS), destinado a “avaliar, propor e desenvolver iniciativas destinadas a disseminar soluções e boas práticas de cibersegurança junto do tecido empresarial” e a “explorar as oportunidades que a cibersegurança oferece enquanto setor económico”, lê-se no anúncio publicado esta segunda-feira em Diário da República.

Para o Governo, o uso crescente das tecnologias “apresenta um conjunto de riscos relacionados com a segurança”, “implicando desafios ao nível da cibersegurança que podem ter associados elevados impactos económicos”.

O GTCS vai ser constituído por representantes de seis entidades: Direção-Geral das Atividades Económicas (DGAE), Direção-Geral do Consumidor (DGC), Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), Agência para a Competitividade e Inovação, I. P. (IAPMEI), Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) e Agência Nacional de Inovação, S. A. (ANI).

Além disso, esta equipa terá ainda de consultar e envolver nesta missão outras 19 entidades, tais como associações empresariais e de defesa dos consumidores, instituições de ensino superior e entidades do setor empresarial (Euronext, Siemens, Sonae, etc.). “O GTCS pode ainda proceder à consulta ou solicitar a participação e audição de outras entidades, públicas e privadas, bem como de personalidades de reconhecido mérito”.

O grupo de trabalho vai reunir-se nas instalações do Ministério da Economia, “sob acompanhamento dos Gabinetes dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da indústria, comércio, serviços e defesa do consumidor” e deve apresentar “um relatório intercalar das suas atividades até 15 de maio de 2019 e um relatório final das suas atividades e resultados até 31 de julho de 2019”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo cria grupo de trabalho para a cibersegurança. Equipa tem de apresentar relatório até 31 de julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião