Venda da Opway revertida. Construtora regressa para as mãos dos antigos donos

  • ECO
  • 8 Maio 2019

No final de 2017, a construtora foi vendida à Nacala Holdings, mas o processo foi revertido. Em causa estão alegados incumprimentos contratuais por parte dos compradores.

A venda da Opway à Nacala Holdings, que aconteceu no final de 2017, foi revertida. A construtora voltou, assim, para as mãos dos antigos donos, que terão alegado incumprimento contratual por parte da compradora.

O processo voltou atrás em dezembro do ano passado, adianta o Jornal de Negócios (acesso pago), que fala em incumprimento contratual por parte da Nacala Holdings, relativamente ao contrato de venda assinado. O mesmo documento previa um compromisso de capitalização da Opway, que também acabou por não acontecer.

A Nacala Holdings, que chegou a planear incluir a Opway no Grupo Elevo, o qual tinha comprado em setembro de 2017 ao fundo Vallis, não terá levantado oposição ao acordo que ditou a reversão da venda.

Assim, com esta reversão, a Opway regressou à Spring Charisma e, em março, passou a ter um novo Conselho de Administração, liderado agora por Luís Duarte. Na administração inclui-se agora Daniel Lucas, com ligações à empresa moçambicana Nadhari, que em 2015 apresentou a proposta mais alta pela Opway no leilão realizado pela Espírito Santo Industrial (ESI), mas a venda não aconteceu.

Desde o colapso do Banco Espírito Santo (BES), a construtora já passou por várias dificuldades. A queda do banco teve um impacto imediato na Opway, tendo sido forçada a avançar com uma segunda restruturação pouco tempo depois de ter concluído a primeira. Em 2015 recorreu ao Processo Especial de Revitalização (PER) e, nesse mesmo ano, acabou por ser leiloada por 1,35 milhões de euros, diz o Negócios.

Continuou com dívidas de 150 milhões de euros à banca e 20 milhões a fornecedores e o PER acabou por se atrasar mais de um ano. Em 2016 o problema foi a Caixa Geral de Depósitos, o seu maior credor na altura.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda da Opway revertida. Construtora regressa para as mãos dos antigos donos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião