China “quebrou o acordo” das negociações comerciais, diz Donald Trump

Justificando o aumento das tarifas sobre produtos chineses importados, o Presidente norte-americano acusa a China de não ter cumprido o acordo entre ambos.

Depois de os Estados Unidos terem anunciado um aumento nas tarifas sobre produtos chineses, Donald Trump veio justificar essa decisão acusando a China de não ter cumprido o acordo que estava a ser negociado. Aumentam, assim, as tensões entre as duas maiores economias do mundo, com o Governo chinês a prometer retaliar caso haja realmente um aumento de dez para 25% das tarifas esta sexta-feira.

Donald Trump falava esta quarta-feira em Panama Beach, na Flórida, quando foi questionado sobre as conversações entre os dois países, avança a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês). É um “bom homem”, disse o Presidente norte-americano sobre Liu He, principal negociador chinês, “mas eles quebraram o acordo”.

“Não há nada de errado em receber 100 mil milhões de dólares por ano” em tarifas sobre as importações chinesas, na ausência de um acordo entre ambas as partes, acrescentou. “Eles [chineses] vêm cá amanhã e, aconteça o que acontecer, não se preocupem com isso. Isso vai funcionar. Funciona sempre”.

Estas declarações de Trump provocaram uma queda nas ações asiáticas, enquanto o yuan afundou para a cotação mais baixa desde janeiro. Vários analistas acreditam que uma falha nas negociações comerciais entre os dois países poderá desencadear uma grande venda de ativos de risco.

Os Estados Unidos anunciaram no fim de semana passada um aumento nas tarifas aplicadas sobre produtos importados da China, aumento esse que deverá acontecer esta sexta-feira. “Os 10% vão subir para 25% na sexta-feira. 325 mil milhões de dólares em produtos vendidos pela China aos EUA vão permanecer sem tarifas, mas a breve prazo terão tarifas de 25%”, escreveu Donald Trump, no Twitter.

Uma delegação chinesa liderada por Liu He vai aterrar esta quinta-feira em Washington para dois dias de conversações com autoridades dos Estados Unidos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China “quebrou o acordo” das negociações comerciais, diz Donald Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião