Trump ordena agravamento alfandegário sobre quase todas as importações da China

  • Lusa
  • 11 Maio 2019

Depois do aumento de dez para 25% nas tarifas aplicadas a alguns bens chineses, Donald Trump ordenou outro agravamento dessas taxas. Pequim vai continuar negociações "apesar de alguma fricção".

Os Estados Unidos vão aumentar as taxas alfandegárias sobre praticamente todas as importações provenientes da China, segundo instruções dadas ao representante do Governo norte-americano para o Comércio, Robert Lighthizer.

A informação foi divulgada em comunicado do Gabinete do representante dos EUA para o Comércio (USTR, na sigla em inglês). “O Presidente [Donald Trump] ordenou-nos que começássemos o processo de aumento dos direitos alfandegários sobre quase todo o resto das importações da China [ainda não agravadas], avaliadas em cerca de 300 mil milhões de dólares” (267 mil milhões de euros)”, indicou Lighthizer.

O processo começa na segunda-feira.

Negociações vão continuar “apesar de alguma fricção”, diz Pequim

O vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, afirmou esta sexta-feira, em Washington, que as negociações comerciais com os Estados Unidos vão continuar em Pequim, numa data a acordar, apesar dos obstáculos. “As negociações não falharam, pelo contrário, (os obstáculos são) uma reviravolta normal nas negociações (…) é inevitável” entre os dois países, disse Liu em declarações à imprensa chinesa, após uma ronda de conversações comerciais na capital norte-americana.

As conversações terminaram horas depois do início do aumento de tarifas a mais de 5.000 produtos chineses. A partir de sexta-feira, as tarifas aplicadas a esses produtos aumentaram de 10% para 25%, uma taxa que agora afeta quase metade das importações vindas da China.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, declarou que o aumento das tarifas vai fortalecer os Estados Unidos. Por sua vez, a China lamentou profundamente a decisão dos Estados Unidos e já anunciou que vai ter que tomar “as medidas necessárias” para responder, sem esclarecer quais serão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump ordena agravamento alfandegário sobre quase todas as importações da China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião