Hóspedes estrangeiros passam menos tempo em Portugal. Crescimento das receitas com forte travagem

Os hóspedes estrangeiros optaram por ficar menos tempo no país, contrariamente aos hóspedes residentes em Portugal. As receitas do turismo subiram, mas estão a desacelerar.

Portugal continua a atrair muitos turistas. E entre janeiro e março, o número de visitantes até aumentou de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), mas o tempo passado pelos estrangeiros no país está a encolher. Uma evolução que tem peso nas contas do setor, ditando uma travagem no crescimento das receitas. O turismo faturou mais 5% que no ano passado, contra a taxa de crescimento de 14% em 2018.

Entre janeiro e março os hóspedes estrangeiros aumentaram 3,4%, para um total de 2,45 milhões de pessoas. Por sua vez, os hóspedes residentes no país aumentaram 4,7%, ficando pelos 1,97 milhões. No total foram 4,42 milhões os hóspedes a ficarem alojados em estabelecimentos turísticos nacionais, mais 4% do que no mesmo período do ano passado.

Contudo, apesar de o número de hóspedes ter aumentado no total, os estrangeiros optaram por ficar menos tempo em Portugal: as dormidas caíram 0,1% para os 7,5 milhões de pessoas, enquanto as dormidas dos residentes no país subiram 2,3% para os 3,3 milhões de pessoas.

Em média, os hóspedes passaram menos noites nos alojamentos turísticos (2,44 noites), com este indicador a observar uma queda de 3,2% face ao trimestre homólogo, fruto, sobretudo, do comportamento dos estrangeiros que pernoitaram, em média, três noites, menos 3,3% comparando com o mesmo período do ano passado.

“É de salientar que os resultados estão condicionados pelos diferentes meses das épocas festivas face ao ano anterior, por um lado beneficiando do Carnaval em março de 2019 (no ano anterior em fevereiro), mas, por outro, sujeitos ao efeito base desfavorável da Páscoa em março de 2018 (no corrente ano celebrada em abril)”, alerta o INE.

Norte-americanos disparam. Espanhóis afundam

Os turistas espanhóis foram aqueles que mais visitaram o país no primeiro trimestre mas, em contrapartida, foram a nacionalidade que observou a mais queda face ao trimestre homólogo: caíram 15,6% para as 337 mil pessoas. Ainda em número, atrás dos espanhóis aparecem os britânicos com 300.118 pessoas e os alemães com 249.612 pessoas.

Em termos de crescimento, os norte-americanos destacaram-se ao subir 24,8% para os 140.453 turistas, à frente dos chineses (20,3% para os 78.749) e dos canadianos (12,5% para os 48.380).

Entre os municípios preferidos pelos hóspedes no primeiro trimestre, o destaque vai para Lisboa com um peso de 24,7% e um total de 2,67 milhões de dormidas. Segue-se o Funchal (1,15 milhões), Albufeira (932 mil) e o Porto (764 mil).

Receitas sobem para os 581 milhões de euros… mas crescimento abranda

As receitas totais obtidas pelo setor subiram 4,9% para os 581,3 milhões de euros no primeiro trimestre, enquanto aquelas obtidas com os aposentos aumentaram 3,5% para os 409,6 milhões de euros. Contudo, comparando com o período homólogo, o crescimento deste indicador está a abrandar: as receitas totais tinham subido 14% enquanto as de aposento tinham crescido 16,1%.

Analisando região a região, a Área Metropolitana de Lisboa destacou-se ao captar 38% das receitas totais (224,5 milhões de euros). Seguiu-se o Algarve com um peso de 16,5% (96 milhões de euros) e a região Norte com 16,1% (93,6 milhões de euros).

Em termos de preços, cada hóspede pagou, em média, 28,50 euros por quarto a nível nacional, um valor que aumentou 4,4% face ao mesmo trimestre do ano passado. Mas, analisando a zona de Lisboa, esse valor subiu três cêntimos para os 49,4 euros. Destaque ainda para a Região Autónoma da Madeira, onde o preço médio por quarto caiu, tendo diminuído cerca de dois euros para uma média de 38 euros.

(Notícia atualizada às 17h04 com infografia)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hóspedes estrangeiros passam menos tempo em Portugal. Crescimento das receitas com forte travagem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião