“Quando temos um Nabeiro, não precisamos de nenhum Clooney”, diz Costa

  • ECO e Lusa
  • 15 Maio 2019

António Costa não poupa os elogios a Rui Nabeiro. Para o primeiro-ministro, empresas como o Grupo Nabeiro são essenciais para dinamizar a economia.

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o Comendador Rui Nabeiro (D), durante a apresentação da estratégia global de sustentabilidade do Grupo Nabeiro – Delta Cafés, em Lisboa.Nuno Fox/Lusa 15 Maio, 2019

Para o primeiro-ministro, um país cheio de pessoas como Rui Nabeiro ia transformar Portugal e a economia. Costa elogiou o percurso do administrador do Grupo Nabeiro, destacando o papel das empresas portuguesas no dinamismo da economia. Depois de ser conhecido que o PIB nacional acelerou no arranque do ano, António Costa salientou o papel do investimento para a economia.

“Quando temos um Nabeiro, não precisamos de nenhum Clooney”, disse o primeiro-ministro na sessão de apresentação da estratégia global de sustentabilidade do Grupo Nabeiro – Delta Cafés, citado pelo Dinheiro Vivo (acesso livre). Costa foi mais longe e fez as contas sobre quantos “Nabeiros” seriam necessários para dinamizar a economia portuguesa.

Se por cada 8.500 habitantes portugueses houver um Nabeiro basta-nos 1.200 Nabeiros para termos 1.200 grupos como a Delta“, apontou o líder do Executivo, numa extrapolação relativa ao número de habitantes de Campo Maior, onde nasceu o grupo, escreve a Agência Lusa.

“Se tivermos 1.200 grupos como a Delta, a nossa economia não crescerá só acima da média europeia, a nossa economia transformará mesmo este país em algo que é fundamental, extraordinário e sustentável” para a atual geração e futuras, rematou o primeiro-ministro.

O Produto Interno Bruto português aumentou 1,8% no primeiro trimestre do ano em termos homólogos, acima dos 1,7% do trimestre anterior, e 0,5% em cadeia, impulsionado pela procura interna. “E o que permitiu a economia portuguesa acelerar é o investimento que as empresas estão a fazer”, prosseguiu Costa, na sua intervenção.

“Felizmente, a Delta não está só neste país, há outras empresas que também acreditam e confiam no futuro e estão a investir”, afirmou o primeiro-ministro, acrescentando: “Se há condição essencial para que as empresas possam continuar a investir é continuar a ter confiança no presente e boas perspetivas de confiança no futuro”. “Temos muito boas razões para ter confiança”, completou.

Apoio a startups sustentáveis

António Costa aplaudiu ainda o envolvimento da Delta com startups. A empresa desenvolveu uma parceria com a startup belga Nãm, que transforma borras de café em algo comestível — neste caso, cogumelos. A Delta Cafés ficará encarregue da recolha das borras de café, aponta o grupo em comunicado.

Perante esta parceria, Costa aproveita para sublinhar que “as startups não são só apps”, em declarações citadas pelo Dinheiro Vivo. “A semente está na terra e a Delta está a ajudar a semente a nascer”, continua. Salienta ainda que este projeto é um exemplo de economia circular, ao aproveitar o que seria considerado lixo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Quando temos um Nabeiro, não precisamos de nenhum Clooney”, diz Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião