“É fundamental que portugueses saibam o que aconteceu em termos de decisões de crédito na CGD”, defende Horta Osório

O CEO do Lloyds Bank estima que a injeção de capital no banco público custou cerca de 2.000 euros a cada família e, por isso, os portugueses têm o direito de saber o que aconteceu.

A polémica em torno de Joe Berardo e a dívida à Caixa Geral de Depósitos (CGD) é uma “questão essencial em termos de transparência e confiança dos portugueses” no banco público, defendeu esta sexta-feira António Horta Osório. Para o CEO do Lloyds Bank, é “fundamental” que os portugueses saibam “o que é que aconteceu” e se as decisões foram tomadas de forma adequada, ou não.

Recusando fazer “comentários em particular personalizados”, Horta Osório sublinhou que, tal como tem vindo a referir há vários anos, “a questão da CGD é uma questão essencial em termos de transparência e de confiança dos portugueses, porque o banco pertence aos portugueses“.

Em declarações aos jornalistas à margem da conferência “Exportações e Investimento” da AICEP, o banqueiro tocou no assunto da “injeção massiva de capitais do Estado”. “Dado o valor que foi injetado na CGD, eu estimo que isso tenha custado cerca de 2.000 euros a cada família portuguesa”.

Neste sentido, o CEO do Lloyds Bank defende ser “fundamental que os portugueses saibam o que é que aconteceu em termos de decisões de crédito da CGD, o que foi feito e com quem foi feito e se foi feito adequada ou inadequadamente”. Isto porque, explicou, “não só a CGD é pública”, mas porque o banco “pediu um enorme esforço enorme de recapitalização aos portugueses”.

“Penso que é um princípio fundamental de transparência e justiça saber exatamente o que se passou com os grandes problemas que originaram essa injeção de capitais dos portugueses. E as audições do Parlamento, obviamente, vão nessa direção e é positivo”, rematou.

(Notícia atualizada às 10h50 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“É fundamental que portugueses saibam o que aconteceu em termos de decisões de crédito na CGD”, defende Horta Osório

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião