Caixa financiou Berardo sem qualquer parecer da direção risco

A Caixa financiou Joe Berardo entre 2007 e 2012 em operações que não tiveram qualquer parecer de risco. Neste período também foram realizadas duas reestruturações sem intervenção da direção de risco.

Foi Mariana Mortágua quem expôs a situação: entre 2007 e 2012, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) concedeu créditos e reestruturou dívida de Joe Berardo sem que a direção geral de risco (DGR) do banco se tivesse pronunciado sobre as operações. O antigo diretor do risco do banco público confirmou a informação no Parlamento.

Em causa estão dois créditos (um de um milhão e outro de 38 milhões) e duas reestruturações associadas à Metalgest e à Fundação Berardo em 2008 e 2009. São operações em que não existe parecer de risco, contou a deputada do Bloco de Esquerda. “Confirma-se que não houve a intervenção da direção geral de risco durante esse período”, afirmou José Rui Gomes na II comissão de inquérito à recapitalização da CGD e aos atos de gestão, depois de consultar uma lista com os pareceres que emitiu durante o período em que lá trabalhou.

Como o ECO avançou, José Rui Gomes liderou o departamento do risco da CGD entre 2010 e 2017, mas trabalhou naquela direção desde a sua criação, em 2000, pela mão de Vasco D’Orey, estando atualmente no BNU Macau.

Não era obrigatória haver parecer da direção geral de risco? “Era sim, senhora deputada”, respondeu José Rui Gomes. Retorquiu a deputada: “Houve aqui irregularidades. Houve explicações para isso?”. “Não foi dada nenhuma explicação”, disse o antigo diretor do banco.

"No que respeita à nossa atividade da DGR, não tivemos qualquer perceção de que [Berardo] fosse um cliente especial. Os únicos tratamentos especiais que dávamos na direção de risco era relativo a urgências.”

José Rui Gomes

Ex-diretor do departamento de risco da CGD

Um dos financiamentos a Joe Berardo foi citado esta quinta-feira, nomeadamente o empréstimo de um milhão de euros. Cecília Meireles (CDS) contou a história por detrás desta operação: a Caixa emprestou o dinheiro a pedido do BCP para que o comendador liquidasse uma dívida no Santander.

Questionado por Paulo Sá, do PCP, sobre se o banco dava tratamento especial a Joe Berardo, José Rui Gomes respondeu que não. “No que respeita à nossa atividade da DGR, não tivemos qualquer perceção de que fosse um cliente especial. Os únicos tratamentos especiais que dávamos na direção de risco era relativo a urgências”, esclareceu, contrariando as afirmações de Eduardo Paz Ferreira, da comissão de auditoria, que disse na mesma sede que o empresário madeirense era tratado de forma diferente na CGD.

José Rui Gomes afirmou ainda que está de consciência tranquila com o seu trabalho. “Sentimo-nos de consciência tranquila sempre que desempenhamos as funções da melhor forma que sabemos. Sempre foi esse o sentimento”, frisou.

Se está de consciência tranquila, quem falhou? “Quem falhou? Não lhe sei responder. Não podemos ficar indiferentes àquilo que aconteceu no país, com uma redução abrupta do PIB e com os haircuts que tiveram de ser feitos. Todos os dias éramos bombardeados com reduções de valores de colaterais, que tiveram impacto na carteira da Caixa. As imparidades existiram e resultaram em grande parte da evolução macroeconómica”, afirmou.

(Notícia atualizada às 17h43)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa financiou Berardo sem qualquer parecer da direção risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião