CGD tem novo responsável pelo risco após saída de diretor para Macau

José Rui Gomes, ex-diretor de risco da Caixa, mudou-se para o BNU Macau. Novo responsável pelo risco de crédito tem 27 anos de casa e é um especialista na recuperação de empréstimos.

Paulo Macedo operou várias mudanças na direção de risco da Caixa Geral de Depósitos (CGD), departamento que tem estado no centro das atenções depois de a auditoria independente da EY ter relevado operações de crédito ruinosas e que não seguiram exatamente os pareceres dos técnicos daquele departamento.

A última alteração atingiu um quadro de topo do Departamento de Risco de Crédito: José Rui Gomes, que está no banco público há 19 anos, os últimos oito enquanto diretor de risco, mudou-se em fevereiro para outro continente, nomeadamente para o BNU Macau, liderado por Carlos Álvares.

José Rui Gomes aguardava luz verde das autoridades monetárias macaenses para poder iniciar funções do outro lado do mundo, tal como deu conta o ECO Insider (newsletter do ECO de acesso reservado a assinantes) há cerca de um mês. Já recebeu entretanto autorização e vai exercer as mesmas funções de gestão de risco de crédito no banco macaense da CGD.

Para o seu lugar vai entrar um homem que conhece bem os cantos à casa, tem uma experiência de quase três décadas anos ligada à banca e apresenta forte competência na recuperação de crédito, referiu ao ECO fonte oficial do banco, que não quis adiantar o nome do novo responsável. Mas o ECO sabe que o novo diretor de risco de crédito será Raúl de Almeida, que vem do departamento de recuperação de crédito.

Em 2017, ainda antes de a auditoria independente da EY estar terminada, Paulo Macedo dividiu o Departamento de Risco, criado em 2000 pelo professor Vasco d’Orey, em duas áreas macro: a Direção de Gestão de Risco (pelouro tutelado pelo administrador João Tudela Martins) e a Direção de Risco de Crédito (tutela de Carlos Albuquerque).

José Rui Gomes, que substituiu Vasco d’Orey em 2010 na liderança na Direção de Risco, veio a ficar como principal responsável pela Direção de Risco de Crédito quando foram introduzidas estas mudanças há dois anos. Já a Direção de Gestão de Risco é liderada por Nuno Rabaça Fonte.

A trabalhar na região outrora administrada por Portugal do outro lado do mundo, José Rui Gomes poderá ter de regressar em breve a Portugal. E isto porque os deputados da comissão parlamentar de inquérito querem ouvir o antigo diretor de risco para perceber o contexto em determinadas operações de crédito foram realizadas pelo banco do Estado. José Rui Gomes foi mesmo um dos responsáveis ouvidos pelos auditores da EY no âmbito da auditoria aos atos de gestão do banco público entre 2000 e 2015. O relatório final mostrou vários financiamentos ruinosos devido às perdas que geraram e nas quais o parecer de risco (que não tem poder vinculativo) não foi seguido à risca.

Em concreto, a EY identificou 13 grandes créditos que mereceram o parecer desfavorável da direção de risco sem que a administração tenha apresentado qualquer justificação para essa decisão. Geraram perdas de quase 50 milhões de euros. Por outro lado, nas operações de reestruturação de financiamentos que também mereceram chumbo do departamento de risco, mas que avançaram na mesma, o banco perdeu quase dez vezes mais, de 500 milhões.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

CGD tem novo responsável pelo risco após saída de diretor para Macau

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião