PS quer ver estatutos atualizados da Associação Coleção Berardo

O grupo parlamentar do Partido socialistas quer que a Comissão Parlamentar de Inquérito à Caixa tenha acesso aos estatutos aualizados da Associação Coleção Berardo que detém as 861 obras de arte.

O cerco aperta-se em torno e Joe Berardo. Agora, o grupo parlamentar do Partido Socialista entregou um requerimento a pedir os estatutos da Associação Coleção Berardo atualmente em vigor, tendo em conta a sucessão de alterações aos mesmos.

O grupo parlamentar solicitou “a documentação relativa à Associação Coleção Berardo ao presidente da II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco”, refere numa nota enviada às redações.

“Os deputados socialistas pedem, no requerimento, que sejam enviados à Comissão os estatutos da Associação Coleção Berardo atualmente em vigor, a sucessão de alterações aos estatutos, as atas de todas as Assembleias Gerais e os elementos identificativos da ação judicial de que a Associação foi alvo, no que diz respeito à legalidade dos seus Estatutos, bem como da sentença aí proferida”.

Esta iniciativa é apenas mais uma das várias que estão a ser desencadeadas na sequência da intervenção do empresário madeirense na comissão a 10 de maio. O PSD pediu à Caixa e ao Conselho de Ministros para ter acesso aos pareceres jurídicos elaborados para efeitos de estruturação, negociação e decisão da solução de renegociação de garantias dadas por Joe Berardo. Já o CDS pediu acesso às contribuições anuais que Berardo fez para o fundo de arte que deve receber uma verba anual de 500 mil euros e à “lista de obras adquiridas por este fundo, com indicação, para cada uma, de data e valor de aquisição, identificação do vendedor e prévio(s) proprietário(s) de cada obra”.

Por outro lado, a comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos deu parecer positivo à proposta do CDS-PP de retirar as comendas a Joe Berardo.

(Notícia atualizada às 17h30 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS quer ver estatutos atualizados da Associação Coleção Berardo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião