Dos 864 milhões emprestados pela banca, Berardo só pagou 2,2 milhões

  • ECO
  • 16 Maio 2019

A divergência de valores consta na ação interposta pela CGD, BCP e Novo Banco apresentada no Juízo de Execução de Lisboa. O empresário terá assim devolvido aos bancos apenas 0,2% do capital em dívida.

A CGD, o BCP e o Novo Banco avançaram para os tribunais com vista a recuperar parte dos créditos concedidos a Joe Berardo, e já é possível saber alguns pormenores daquilo que estão a reivindicar. De acordo com a ação que deu entrada no Juízo de Execução de Lisboa, do total de 864 milhões de euros que a banca lhe emprestou, o empresário madeirense apenas devolveu 2,2 milhões de euros entre 2012 e 2029, avança o Observador (acesso pago) que consultou o documento. Esse valor corresponde a apenas 0,2% da dívida.

De acordo com o jornal online, esse valor terá sido pago a apenas dois dos bancos, com a CGD a não ser contemplada por qualquer euro da quantia emprestada à Fundação José Berardo, a entidade selecionada pelo empresário madeirense para pedir formalmente uma boa parte dos empréstimos em causa. Em 2012, a dívida à CGD era de cerca de 265,9 milhões de euros, nível em que se mantém.

A ação conjunta de execução sumária — no valor de 962 milhões (962.162.180,21 euros, para ser mais concreto) — foi subscrita pela CGD, Novo Banco, ambos constituindo-se como alvo de incumprimento, mas também pelo BCP. No caso deste banco em concreto, a participação na ação acontece não por ter registado incumprimento de Berardo, mas por ter uma cláusula contratual que lhe permitia fazer o mesmo que o Novo Banco e a CGD, se estes denunciassem o incumprimento do empresário.

Só o valor total dos juros de mora ascende a cerca de 123,7 milhões de euros, revela o Observador, enquanto os juros remuneratórios vencidos totalizam cerca de 13,2 milhões.

Os três bancos requerem na sua ação que o tribunal decrete o pagamento de juros de mora de 7,5% desde o 13 de abril de 2019 “até ao efetivo e integral pagamento” dos créditos em incumprimento, refere ainda a ação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dos 864 milhões emprestados pela banca, Berardo só pagou 2,2 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião